Casa IF

Requisitos do projecto: . centralização do programa habitacional na biblioteca; . lote em gaveto, com três frentes urbanas, forma quase triangular; envolvente urbana com poucas referências; paisagem aberta sobre campos agrícolas, em especial para o lado sul/poente; . garantir a livre circulação do Iuki (o cão) por toda a casa.A implantação da casa, acompanha a forma do terreno. A volumetria de dois pisos impõe-se à rua, mas, no seu desenvolvimento para o tardoz do terreno, desvanece-se subtilmente, perdendo escala, extinguindo-se quase num ponto.A coerência projectual provém de uma libertação formal, de um exercício de desenho mais orgânico, beneficiando da subtileza das linhas curvas.Todo o volume é trabalhado através de cheios e vazios. Procura-se uma boa exposição solar dos espaços interiores, assim como o conforto dos espaços exteriores, em especial no piso térreo, criando uma relação natural entre a cozinha, sala e piscina.No piso superior, intensifica-se a relação do espaço de biblioteca com a paisagem, que se torna presença cénica, enfatizada pela floreira existente na varanda da biblioteca, que cumpre a dupla função de conferir privacidade ao espaço de trabalho e enquadrar a paisagem.A escada exterior aproxima a varanda e o jardim do lado sul. Assim, facilita-se os percursos do Iuki.A entrada na habitação faz-se lateralmente, a norte. O hall alarga-se à sala, que se encontra em franca relação com a cozinha e com o espaço exterior.Para o lado norte/nascente, e conscientemente isolado dos espaços sociais, existe um quarto com uma instalação sanitária e lavandaria que dá acesso ao programa complementar da habitação: um espaço exterior, de parqueamento automóvel, e um espaço de oficina, equipado com uma instalação sanitária. A área de duche corresponde ao encerramento da volumetria, fundindo-se com o limite do terreno.No piso superior, a biblioteca é a rótula de distribuição dando acesso a um quarto, a uma instalação sanitária e uma suite.O cinzento da casa é uma base neutral que procura os reflexos dos campos de feno da envolvente, assim como a luz dourada do sol , ganhando diferentes tonalidades ao longo do dia em especial, ao pôr do sol.