Alexandra Paio

E se fossem as crianças a construir a cidade?

Categorias: Arquitetura

E se fossem as crianças a construir a cidade? – 

Desenhar a cidade que respeite o espaço e as necessidades das crianças é determinante para resolver os desafios atuais de desenvolvimento e guiar as cidades para um futuro  que se pretende sustentável em todos os seus pilares.

Sendo certo, e reconhecido, que desde 1959 muito se tem evoluído do ponto de vista da criação de mecanismos de reflexão e proteção globais que realçam o papel das crianças numa sociedade plural, estes tardam na construção da cidade do século XXI. A Declaração dos Direitos da Criança, publicada pela assembleia geral das Nações Unidas, permitiu estabelecer os direitos e apontar os meios para alcançar a proteção, educação, saúde, abrigo e boa nutrição.

Em 1996, a Iniciativa Cidades Amigas da Criança (CFCI), promovida pela UNICEF e UN-Habitat, sublinhou que as cidades devem ser lugares de bem-estar das crianças. Este é o indicador essencial para um habitat saudável, uma sociedade democrática e de boa governança. Visão que viria a ser destacada, na mesma altura, pelo economista e líder da Comissão Europeia Romano Prodi, ao afirmar que não seria mais suficiente oferecer serviços às crianças, seria preciso devolver-lhes as cidades.

Contudo, se observarmos com atenção as cidades contemporâneas europeias, verificamos que ainda há muitas questões práticas a tratar para que seja dada prioridade aos direitos das crianças nas políticas públicas e programas dos decisores. Desenhar a cidade que respeite o espaço e as necessidades das crianças é determinante para resolver os desafios atuais de desenvolvimento e guiar as cidades para um futuro  que se pretende sustentável em todos os seus pilares.

Os decisores públicos podem começar por procurar respostas às seguintes questões: A cidade é de quem? Será que a cidade é amigável para as crianças? Como poderão as crianças contribuir para a discussão e reflexão no envolvimento comunitário?

Na arquitetura, Aldo van Eyck pode ajudar na necessária reflexão. O arquiteto projetou, entre 1947 e 1978, centenas de espaços para as crianças na cidade de Amesterdão. Adotando uma abordagem ecológica, os playgrounds públicos foram desenhados em parques, praças e espaços abandonados, com base em elementos estéticos minimalistas para estimular a criatividade das crianças. Uma experiência sensorial e cognitiva que convida a criança a explorar ativamente as inúmeras possibilidades de ação.

Vistos em série, definiram uma rede de lugares com capacidade de transformação e recodificação constante, que vão para além do equipamento lúdico cercado, garantindo a participação de todos os cidadãos na vida da cidade.

Outro desafio fundamental, na procura de respostas dos decisores, é olhar para as cidades através do olhar das crianças. Várias instituições têm produzido guiões e recomendações para que o envolvimento das crianças no desenho de soluções torne as cidades mais amigáveis. Projetos como ‘If kids built a city’ do Playful Pittsburgh Collaborative ou ‘Cities Alive: Designing for urban childhoods’da ARUP  permitem mapear, de forma mais ampla e criativa, os bairros a partir do olhar das crianças.

Neste cenário, em Portugal, está em curso o projeto ‘À procura do meu lugar’, promovido pelo Município de Valongo, no âmbito do V4.0, em colaboração com o Laboratório de Planeamento e Políticas Públicas – L3P da Universidade de Aveiro. Ficamos na expectativa da apresentação dos resultados do processo participativo das crianças e jovens e respetivos contributos para o Plano Diretor Municipal de Valongo.

Todas estas ações e recomendações conduzem-nos necessariamente, sempre, a uma simples conclusão: que cidade queremos? Porque, como argumenta Enrique Peñalosa, ex-presidente do município de Bogotá, as crianças são uma espécie de grupo indicador. Se pudermos construir uma cidade amigável para as crianças, teremos uma cidade amigável para todos.

Galeria
artigos RELACIONADOS
PUBLICIDADE

Livro Redes Sociais 360

COMPRAR AGORA  

Webinars Leca®

Inscreva-se!