Antonio Covas

Gonçalo Ribeiro Telles, 100 anos depois

Categorias: Arquitetura

Une-nos o humanismo integral, talhado na forma-conteúdo da ecologia humana, à medida de um homem único, onde tudo converge, a ciência e a técnica, a arte e a cultura, a estética e a ética.

Gonçalo Ribeiro Telles (GRT) faria no dia 25 de maio 100 anos. Conheci GRT na Universidade de Évora, era eu um jovem assistente do departamento de economia, chefiado na altura pelo Professor Cruz de Carvalho, um engenheiro agrónomo e ecologista, muito amigo de GRT. Foi assim a minha introdução, como jovem economista, à agricultura, ecologia, planeamento biofísico e arquitetura paisagista. Nunca mais deixei de seguir, de perto, as palestras, os projetos e as publicações nessas áreas, onde a noção de paisagem global funcionou sempre como uma espécie de berço e caldo de cultura transdisciplinar.

Nos últimos meses publiquei no Observador dez (10) pequenos ensaios sobre temas que eram muito caros a GRT. No dia do seu centenário faço aqui um pequeno roteiro do seu pensamento e ideário em cinco tópicos essenciais. A maioria dessas referências pode ser lida no livro A utopia e os pés na terra de 2003 e, ainda, numa entrevista dada à revista Visão no mesmo ano de 2003.

Sobre o carácter da paisagem global e multifuncional

É a ligação à terra que faz uma cultura. Ninguém diz, é o nosso urbano, toda a gente diz, é a nossa terra.

A paisagem é bela porque está humanizada, é uma construção humana feita com materiais vivos. Se a artificializamos fica um objeto decorativo, um adorno, um acessório de um produto, um cenário arranjado.

Há 50 anos o que era contínuo na paisagem era o sistema natural. As cidades eram pontos. Hoje é o contrário. O contínuo na paisagem é o construído, o pontual é o que resta da agricultura, de espaço livre, que passou a ser descontínuo. Temos que estabelecer corredores. Não há plano de desenvolvimento sustentável sem agricultura.

Ao mesmo tempo que se transforma, vai aumentando o interesse e a procura de paisagem rural por outros utilizadores que não os que nela vivem. É neste contexto que se fala de multifuncionalidade da paisagem rural, porque dela se esperam várias funções: produção, conservação, recreação. O carácter da paisagem não depende já da agricultura, mas de muitos outros atores.

Se as pessoas a nível local não foram envolvidas na discussão sobre o que é a paisagem harmoniosa e bela, o carácter da paisagem, não conseguiremos evitar essa tendência de perda de carácter da paisagem e, nessa altura, não serão suficientes as convenções internacionais criadas para a salvaguarda dos valores cénicos de certas paisagens ou de determinada componente do sistema agrícola ou habitat.

O futuro da paisagem está comprometido pela agricultura, pela floresta, pelo urbanismo, soluções temporárias de riqueza. Continuamos a viver do quotidiano e com uma imagem errada do país. Aumentaram-se as necessidades, forjadas pelo capitalismo, não se aumentou a cultura.

Sobre a chamada modernização da agricultura

Os romanos dividiam o território em três áreas, além da urbe: o ager, que era o campo cultivado intensamente, o saltus, a pastagem, a agricultura menos intensiva e a silva, a mata de produção de madeira e de proteção. Todo este ordenamento foi transformado, acabou-se com a silvicultura e começou o culto da floresta, que não temos. Se formos ao campo perguntar onde fica a floresta, eles só conhecem a do Capuchinho Vermelho, porque o que têm na sua terra são matas e matos. No século XIX o pinheiro bravo veio para responder às necessidades do caminho-de-ferro que estava em lançamento. Mais tarde é que vem a resina, a indústria da madeira e a celulose. O pior é que se transformou o país num território despovoado o que, dadas as características mediterrânicas, arde com as trovoadas secas.

A diminuição da população ativa na agricultura, como um objetivo de política de desenvolvimento, é um logro. A sequência é conhecida: a fileira, a agroindústria, a monocultura extensiva, a uniformização do espaço, o despovoamento, o incêndio. É fazer crescer os problemas no litoral, o congestionamento, e no interior, o abandono e a desertificação.

Onde há monocultura, não há população, porque a monocultura não precisa de gente, precisa de máquinas; a monocultura rebenta com os solos, a fileira causa predação vertical e desertifica. A monocultura não é cultura.

O erro foi considerar a agricultura uma indústria, com a criação de monoculturas, trigo e floresta, que quebraram o mosaico mediterrânico e impediram a circulação da água e da matéria orgânica. Mas esta floresta monocultural de resinosas e eucaliptos, limpa ou não limpa, não serve para mais nada senão para arder. É uma floresta que vive para não ter gente. Se houvesse lá mais gente aquilo não ardia assim. Pelo contrário, o carvalho, por exemplo, é acompanhado por toda uma panóplia de rendimentos como a cortiça, a pecuária, a produção de mel, as aromáticas e a caça.

A chamada modernização da agricultura é um escândalo de incompetência. As universidades de agronomia em Portugal tiveram um período de grande pujança intelectual no fim do século XIX e no princípio do século XX. Agora, parece terem-se rendido ao economicismo. Estamos numa cultura mediterrânica e não se pode traduzir o desenvolvimento em unidades economicistas de produção de grande volume de dois ou três produtos. É da polivalência, da multiplicidade de produtos e da harmonia da paisagem que resulta a possibilidade de ter uma população instalada em condições de dignidade.

Sobre o estigma social do mundo rural

O mundo rural foi considerado obsoleto, como qualquer coisa que vai desaparecer. Veja-se o disparate que foi a política de diminuição dos ativos na agricultura. Contribuiu para o aumento dos subúrbios, dos bairros de lata e da emigração. Trouxe alguma coisa melhor para a província? Não. Apenas um grande negócio para as celuloses e para os madeireiros.

Os agricultores foram convencidos de que eram uns labregos. Houve toda uma política de desprestígio do mundo rural tendo por base a ideia de que era inferior ao mundo urbano.

Esqueceram-se de que o homem do futuro vai ser cada vez mais o homem das duas culturas, da urbana e da rural. Hoje, 30% das pessoas que praticam a agricultura económica na Europa não são agricultores. É gente que vive na cidade, tem lá o seu escritório e tem uma herdade no campo onde vai ao fim de semana.

A terceira geração de emigrantes vai morar para as casas velhas, vai recuperá-las, não vai viver ao estilo maison. Na casa nova mora uma tia velha a apodrecer de reumático ou está pura e simplesmente fechada.

Sobre a cidade, o urbanismo e o ordenamento do território

A cidade monolítica, que cresce à custa da destruição de recursos naturais e de valores culturais, avançando no território sem olhar ao necessário equilíbrio energético e à sustentabilidade ecológica, está condenada.

O desenho da cidade não se pode circunscrever a traçar zonas que definam as transformações do espaço edificado ou a edificar, mas, pelo contrário, deve comportar todo um sistema espacial definido por circunstâncias geográficas, ecológicas e culturais inter-relacionadas.

O desenho de uma estrutura verde limitada à distribuição na cidade de parques e jardins públicos e ao embelezamento com plantas ou aos arranjos paisagísticos e outros ornamentos, deve ser substituído por um desenho global que se inspire na natureza, na cultura e na paisagem, desenvolvendo forças que permitam a vida e respondam à inquietação estética e às necessidades sociais e culturais da atualidade.

O Plano Verde é um elemento fundamental na conceção dos espaços exteriores da cidade cuja autonomia de desenho é exigida pela natureza biofísica e cultural que lhe é própria e pela prática das artes que desde há muito servem a construção da paisagem viva.

É, no entanto, necessário estender a todo o território urna política de ordenamento que possibilite a biodiversidade, o equilíbrio ecológico e a polivalência dos espaços.
É necessário realçar que as cidades e vilas, ordenadas como conjuntos orgânicos a que corresponde sempre um certo princípio de organização social, nasceram integradas na paisagem rural.

Os espaços verdes da cidade do século XXI, mais do que áreas residenciais implantadas como ilhas no interior do edificado, deverão, pelo contrário, organizar-se em corredores que, percorrendo a cidade, permitirão a existência de percursos e espaços de lazer, recreio e desporto livre, até se integrarem nas paisagens tradicionais dos campos limítrofes, constituindo com elas uma estrutura contínua que garantirá a sustentabilidade ecológica e física de toda a região.

O novo conceito de espaço verde, para além de continuar a apoiar-se numa conceção estética que exalta o génio do lugar deverá ser polivalente no que diz respeito a proteção, recreio e produção. Trata-se da concretização da ideia de continuum naturale e sua interpenetração com o contínuo edificado numa conceção global de paisagem.

A criação desta paisagem global exige uma política urbanística onde o espaço natural e o espaço edificado tenham valor idêntico. Por esse facto, a estrutura verde não deverá ser concebida à posteriori concretizada num mero “decorativismo vegetal”, em “arranjos paisagísticos”, na “vegetalização” e “enquadramento” de infraestruturas ou em “paisagismos pictóricos”, mas sim concebida como uma obra de arquitetura paisagista que se apoia numa participação interdisciplinar.

Sobre os jardins do paraíso

Quando se fala de distinção paisagística, amenidades e recursos da memória e do imaginário é quase obrigatória uma referência aos princípios éticos e estéticos enunciados pelo Arquiteto Gonçalo Ribeiro Telles (GRT) a propósito dos seus jardins do paraíso que são uma espécie de poesia da natureza, um passeio romântico através de uma paisagem de inspiração estético-literária. Passemos em revista esses princípios e apreciemos a sua elegância.

Em primeiro lugar, aposte na “sublimação do lugar” tornando-o ameno e feliz.

Em segundo lugar, invista na presença da água, na sua serenidade estética que confere um movimento ritmado e uma dinâmica musical ao jardim.

Em terceiro lugar, invista em espécies que sublinhem a pujança da natureza e a sua diversidade biológica e que enaltecem o ritmo da vida.

Em quarto lugar, tire partido da luminosidade natural dos espaços, o esplendor da luz é conseguido através do contraste sombra-claridade e da harmonia das cores.

Em quinto lugar, deixe-se influenciar pela geometria e a profundidade das perspetivas, o recorte dos sucessivos planos valoriza distâncias e formas.

Em sexto lugar, promova a integração do jardim na paisagem envolvente sempre que esta seja ordenada e bela.

Em sétimo lugar, aceite a ordem natural como base da conceção do jardim, ou seja, deixe-se inspirar pela ordem da natureza.

Em oitavo lugar, valorize os aspetos culturais da paisagem, pois a ordem cultural é a ordem da humanidade.

Em nono lugar, evite os excessos e exalte a simplicidade no ordenamento das coisas, não faça decoração pela decoração, ou seja, decorativismo.

Em decimo lugar, um jardim e uma paisagem são fruto de conceções e projetos e nunca de arranjos ou decorações, pelo que a sua grandeza e beleza decorre do que lhes é essencial na medida certa.

A eloquência e a elegância destes princípios falam por si. Percebe-se agora melhor a razão pela qual os conceitos de paisagem global e unidade de paisagem presidem à sua conceção do ordenamento e dos sistemas de produção. Ou seja, com GRT o fator ecológico, o fator produção e o fator cultura não estão compartimentados em silos administrativos e reclamam, por isso, uma outra conceção da política administrativa e da administração da política. Tão simples como isso.

Notas Finais

Os sinais distintivos paisagísticos, patrimoniais e culturais são a imagem de marca de um território. Um desses sinais é a distinção paisagística. Ora, num tempo de turismo total não é apenas a gentrificação das vilas e cidades que nos deve preocupar, é, também, a ludificação excessiva e, sobretudo, o critério e o modo como dispomos e usamos recursos escassos como a água, o solo e a vegetação, no fundo a paisagem global que nos acolhe. Não simplifiquemos, pois. Todos nós somos, cada um à sua maneira, cuidadores da paisagem. Mas não nos iludamos. Há uma literacia própria da paisagem, que necessita de ser convenientemente abordada, sob pena de a nossa perceção da paisagem ser um crime de lesa-pátria e um mau serviço prestado ao país. Talvez seja o tempo de voltar ao unitarismo de outros tempos, regressando à política e às causas públicas, reabilitando o discurso ideológico sobre a ocupação do nosso território antes que o tenhamos de recuperar num qualquer leilão de ocasião aqui ou no estrangeiro.

Recordemos o arquiteto Gonçalo Ribeiro Telles a esse respeito: O desenho de uma estrutura verde limitada à distribuição na cidade de parques e jardins públicos e ao embelezamento com plantas ou aos arranjos paisagísticos e outros ornamentos deve ser substituído por um desenho global que se inspire na natureza, na cultura e na paisagem e responda à inquietação estética e às necessidades sociais e culturais da atualidade.

O que une todas estas referências e citações? Julgamos que o humanismo integral, talhado na forma-conteúdo da ecologia humana, à medida de um homem único, onde tudo converge, a ciência e a técnica, a arte e a cultura, a estética e a ética, o todo numa mesma pessoa singular, o Arquiteto Gonçalo Ribeiro Telles.

Galeria
artigos RELACIONADOS
PUBLICIDADE

Registe a sua Empresa

Crie a sua conta gratuitamente e promova os produtos da sua empresa.