Pedro Bandeira, o arquitecto-fotógrafo com “o mundo às costas”

Categorias: Arquitetura

Uma História do Século XXI é o primeiro volume de um livro que é também um assumido “delírio” editorial e existencial. 

Começa com uma notícia do PÚBLICO em 2001 a anunciar um projecto da NASA de criar o X-43, “um avião hipersónico alimentado a oxigénio”, e termina no final de 2021 com um recorte do mesmo jornal a avançar uma estimativa do WEEE Forum a prever a acumulação mundial de “57,4 milhões de toneladas de resíduos de equipamentos eléctricos e electrónicos” no final desse ano. Prossegue com um curto ensaio de cinco páginas e estende-se, depois, por mais de duas centenas de fotografias tiradas nos lugares mais improváveis do Porto e seus arredores. É O Mundo às Costas, do arquitecto, professor e fotógrafo Pedro Bandeira (n. 1970), um livro-álbum difícil de classificar, “um delírio”, como o próprio admite.

A matéria de O Mundo às Costas (edição Pierrot Le Fou) – que, como subtítulo, se apresenta como o primeiro de cinco volumes de “Uma História do Século XXI” – é, de algum modo, o estado do mundo em que vivemos, e que hoje “parece estar exactamente na mesma” como no início do século, defrontando-se com os mesmos problemas: a guerra, a doença, a fome, a desigualdade, a incerteza…

Numa apresentação ao PÚBLICO, Pedro Bandeira evoca a figura de Atlas, o titã da mitologia grega condenado por Zeus a carregar o mundo às suas costas, para justificar este seu “delírio” histórico e editorial. “Todos sentimos uma certa frustração perante a dificuldade em lidarmos com todos esses problemas do mundo”, diz, justificando com o painel de casos e acontecimentos por si reunidos num “caderno de merceeiro”, a partir das páginas dos jornais que vem recortando e colando semanalmente. É “um peso e uma responsabilidade” que alguém, vivendo numa situação e num país apesar de tudo privilegiados, se vê na necessidade de enfrentar, mesmo tendo a consciência da sua pequenez e impotência, nota.

Outra inspiração para esta edição – “só possível devido ao apoio da DGArtes”, realça o autor – esteve na aventura do historiador britânico James Ferguson (1808-1886): na década de 1860, este investigador abalançou-se na publicação de uma improvável História da Arquitectura de Todos os Países, dos Primeiros Tempos até à Actualidade, com que, “iludido pelo advento da fotografia e por toda a informação que recebia impressa nas chapas de vidro compradas a diferentes fotógrafos, alimentou a esperança de poder compreender e sintetizar toda a realidade que nunca poderia visitar fisicamente no tempo de uma vida”, escreve Pedro Bandeira.

O autor está também consciente da impraticabilidade do seu projecto. Mas “talvez consiga realizar o próximo volume, e talvez mesmo o outro a seguir – se ainda houver jornais em papel, nessa altura”, acrescenta, entre risos.

Factos, fotos e ironia

O que é que se propõe então fazer com este O Mundo às Costas? O professor da Faculdade de Arquitectura da Universidade do Minho, em Guimarães, acredita que é possível demarcar-se do seu ofício mais académico da arquitectura para mobilizar uma reflexão mais alargada sobre o mundo que nos rodeia – cujo absurdo fica bem expresso nesta montagem de duas décadas de notícias. “Esta é uma história universal, obviamente com alguma ironia”, apoiada na documentação de factos com diferentes níveis de importância. “Às vezes, há notícias muito pequenas que me incomodaram sobremaneira, como a da jovem, por acaso uma aluna de Arquitectura, que, vendo deflagrar um incêndio no edifício onde vivia, em Londres, e percebendo que ia morrer, decide telefonar à mãe para se despedir…”, exemplifica.

E como é que a segunda parte da edição, exclusivamente dedicada à fotografia, se relaciona com esse relatório informativo das duas primeiras décadas do século? Vivendo, com a sua família, no bairro histórico portuense do Bonfim, Pedro Bandeira costuma sair de casa, muitas vezes para levar os seus filhos à creche, com a sua máquina digital FujiFilm X100, e vai retratando os lugares por onde passa. É assim que, entre as ruas, as ilhas, as casas, os recantos mais próximos, mas também outras vistas junto ao mar, foi fixando, entre os factos noticiados do mundo inteiro, imagens muito distantes do glamour que a fotografia, e particularmente a fotografia de arquitectura, costuma apresentar.

São instantâneos que documentam a “consciência de uma cidade cheia de contradições e formas complexas, uma cidade construída por diferentes interesses, uma cidade carregada de conflitos entre passado e futuro, entre público e privado, entre habitação permanente e alojamento local, entre o automóvel e o peão. Entre comércio de rua e grandes superfícies, entre segurança e vigilância”. Enfim, sem “qualquer moralismo”, retrata a sua cidade do Porto, no centro do mundo que Pedro Bandeira carrega às suas costas. Continua nas duas próximas décadas…

Galeria
artigos RELACIONADOS
PUBLICIDADE

Subscrever Newsletter

Já subscreveu a nossa newsletter?  

Registe a sua Empresa

Crie a sua conta gratuitamente e promova os produtos da sua empresa.