Se Uma Manhã de Outono Um Peão

Categorias: Arquitetura

Se Uma Manhã de Outono Um Peão |  Ana Carolina Helena  . Arquitecta 

A Estrada Nacional nº8, ligação histórica entre os distritos de Lisboa e Leiria, ganhou o número que lhe conhecemos hoje em 1945. O, à altura, novo Plano Rodoviário Nacional, reconhecia-lhe a importância económica e a urgência em garantir-lhe as condições de segurança, reduzindo a sua inclinação e garantindo os raios de curvatura nos intervalos mais apertados. Almejava-se circular a maior velocidade, “a 80km/h”, tal qual as restantes “estradas de 1ª classe”. Como atestam fotografias da época, os automóveis eram ainda minoritários na via pública. Na Venda do Pinheiro, as crianças brincavam pacatamente na rua; no Verão também lá se patinava e montava os bailaricos.

Volvidos setenta e cinco anos, o panorama é diametralmente oposto. O automóvel tornou-se uma necessidade para a maioria nas deslocações pendulares, na ausência de uma rede de transportes públicos, que só agora começa a responder às reais necessidades da população. Os carros mal estacionados e as velocidades espaventosas dentro da localidade obrigam quem circula a pé a um ziguezaguear constante entre os lados da estrada que têm passeios seguros e visíveis.

Num período de crise climática, deslocações menos poluentes começam no peão. Um peão que tem vindo a adquirir “sentadite”, como diz o urbanista dinamarquês Jan Gehl (1936-…): com cada vez maior necessidade de se mover entre casa, trabalho, escola, espaços de lazer, mas cada vez mais sedentário.

Se uma manhã de Outono, um peão pensar em cruzar a Nacional 8, pensará certamente duas vezes. Faltam as passadeiras onde existem efectivamente atravessamentos e os passeios são tantas vezes subdimensionados. Perde-se o buliço que alimenta o comércio local e garante empregos; perde-se a oportunidade de fomentar o movimento diário como promotor da nossa saúde pública. Quanto ganharia o desenho das nossas aldeias e vilas se se apercebesse da tremenda vantagem de ter mais gente nas ruas!

 

Artigo de Opinião © Ana Carolina Helena .  Arquitecta . Venda do Pinheiro

(Texto escrito de acordo com a antiga ortografia, originalmente publicado na coluna “Arquitectura, Paisagem e Mafra” do jornal local “O Carrilhão” )

 

Imagem – (A Estrada Nacional 8, na Venda do Pinheiro. Um registo fotográfico da autora de Setembro de 2020.)

Galeria
artigos RELACIONADOS
PUBLICIDADE

Goma by Flowco

Azulejos ecológicos fabricados em Portugal