Conceção arquitetónica do projeto Zêzere Ecoresort

Início em 30/09/2020 até 03/11/2020

Categorias: 11 novembro2020

Conceção arquitetónica do projeto Zêzere Ecoresort – CADERNO DE ENCARGOS

1. INTRODUÇÃO

A EIPWU – everything is possible with us, empresa criadora dos conceitos “7 Maravilhas de Portugal®”, “País das Maravilhas®” e “Wakeboard Portugal® – the first wakeboard resort in the world”, gerida pelo seu sócio fundador, Luis Segadães, tendo em consideração o seu profundo conhecimento do turismo em Portugal e das tendências globais associadas a um turismo mais sustentável, vai investir numa promoção imobiliária de Turismo Sustentável, um Eco Resort, na região de Ferreira do Zêzere, num local paradisíaco nas margens da albufeira de Castelo do Bode.

Assim, vai lançar um concurso para a primeira fase deste empreendimento que tem um total de 67 lotes, que inclui um hotel de 10 quartos, uma “Freestyle Academy” (Centro de Desporto) com 10 quartos e 63 lotes de moradias, num total de 152 Unidades de Alojamento turístico.

2. OBJECTO DO CADERNO DE ENCARGOS

Projeto de Licenciamento de Arquitetura da primeira fase do Zêzere EcoResort, de acordo com o projeto de loteamento denominado “Aldeamento Turístico na Aderneira – Albufeira de Castelo do Bode”.

O conceito de Arquitetura escolhido nesta primeira fase poderá, se for bem sucedido na sua construção, ter continuidade nas restantes fases que abrangem todos os 67 lotes.

3. CONDIÇÕES DE ELIGIBILIDADE

Todas as entidades habilitadas para conceberem e licenciarem junto das Câmaras Municipais projetos de Arquitetura, incluindo gabinetes de projetos, projetistas em nome individual, agrupamentos destes e empresas de conceção e construção com valências nesta área.

O responsável do projeto deverá ser habilitado pela sua Ordem Profissional para exercer e assumir esta responsabilidade e ter capacidade demonstrada para efetuar o projeto.

4. MISSÃO

Os candidatos estão a concorrer às seguintes atividades no respeito das normas técnicas e regulamentos em vigor.

a. Manifestação de interesse.
b. Proposta de conceção de Arquitetura com todas as peças desenhadas e escritas necessárias com desenhos ao nível de um Licenciamento Camarário.
c. Estimativa de Custos da Construção (Fase Licenciamento).
d. Peças gráficas para melhor entendimento das escolhas estéticas propostas (exemplo: Esquiços, imagens 3D, maquetes, etc).
e. Projeto de Execução de Arquitetura, incluindo todos os detalhes de execução necessários para a correta construção do projeto.
f. Coordenação dos projetos de Arquitetura com os Projetos das Engenharias.
g. Cadernos de Encargos para a Empreitada.
h. Estimativa Orçamental (Fase Execução).
i. Assistência Técnica ao projeto.
Os lotes objeto de licenciamento nesta primeira fase são:
j. “Freestyle Academy” (Centro de Desporto preparado para o treino de Wakeboard e outras modalidades desportivas de ação com 10 unidades de alojamento e função de receção na primeira fase do empreendimento.
k. 7 lotes (lotes G4, G5, G6, G7, G8, G9 e G10) com unidades de alojamento com tipologias de T1 a T4.
l. Centro Social B, perto do embarcadouro com a função adicional de carregador de energia para o barco elétrico do empreendimento turístico.

A missão do projetista inclui igualmente:
m. Estudo das opções de implantação, ocupação do terreno e propostas para a melhor
utilização do terreno.
n. Conformidade com os standards de qualidade habituais no Eco Turismo.
o. Conformidade com os standards de sustentabilidade e eficiência energética.
p. Otimização da área de construção, interior e exterior dos edifícios.
q. Otimização na escolha dos materiais em função da sua boa utilização, durabilidade e
manutenção.
r. Otimização do projeto para obter a melhor relação preço-qualidade, exequibilidade e
eficácia na construção.
s. Cumprimento das Prescrições Técnicas em anexo.

 

NOTA: Clarifica-se que o detalhe pretendido neste concurso é o de pormenor que se apresenta para um licenciamento camarário dos projectos de arquitectura. Obviamente que outras imagens/desenhos que permitam uma melhor percepção da proposta apresentada serão apreciadas.

O vencedor do concurso, depois de ser nomeado, terá de preparar de imediato toda a documentação necessária para a entrega do pedido de licenciamento da Arquitectura na C.M. de Ferreira do Zêzere.

Relativamente aos projectos das engenharias, esclarece-se que não incluídas neste concurso porque não se pretende nesta fase aumentar a complexidade inerente à maior intervenção de outras entidades neste processo, para minorar o tempo da proposta arquitectónica. O projectista vencedor poderá, e é até desejável, propor a sua própria equipa de engenheiros com o qual está habituado a trabalhar, desde que os valores dos seus honorários estejam enquadrados nos valores de mercado.

5. DADOS DO PROJECTO

O empreendimento ocupa um terreno com a área de 211.572.00 m2, embora a área de intervenção esteja limitada pelo Plano de Ordenamento da Albufeira de Castelo do Bode a uma área de 93.410.00 m2.

O aldeamento turístico é constituído por 67 lotes:

  • Lote Centro social A com 10 unidades de alojamento
  • Lote Centro Social B
  • Lote “Freestyle Academy” (Centro de Desporto) com 10 unidades de alojamento
  • Lote Área Desportiva
  • 63 Lotes que definem 132 unidades de alojamento

6. CONTEÚDO DO DOSSIER DO CONCURSO

Neste dossier está incluído em anexo o seguinte documento:

  • Prescrições Técnicas e Programa
  • Extrato do Reg. Municipal da Urb. e da Edificação da Câmara Municipal de Ferreira do Zêzere

    Às entidades que manifestarem interesse no concurso será disponibilizada ainda o acesso a:

  • Planta de Levantamento Topográfico
  • Planta de Síntese
  • Planta Cotada
  • Acessibilidades
  • Corte 1
  • Corte 2
  • Fotos e Imagens do local
  • Regulamento Municipal da Urbanização e da Edificação da Câmara Municipal de Ferreira do Zêzere.

7. CONCURSO
O Concurso é público.

Os prazos previstos são os seguintes:
08/10/2020 – Data limite para receber a Manifestação de Interesse para participação no concurso.

03/11/2020 – Data limite para receber as propostas que deverão vir preparadas para licenciamento.

04/11/2020 – Abertura de propostas.

06/11/2020 – Seleção do vencedor e dos 2º e 3º classificados, bem como de uma eventual menção honrosa.
O vencedor do concurso, depois de ser nomeado, terá de preparar de imediato toda a documentação necessária para a entrega do pedido de licenciamento da Arquitectura na C.M. de Ferreira do Zêzere.

23/11/2020 – Entrega do projeto de Licenciamento na Câmara Municipal.

O projeto será adjudicado ao 1o classificado.

Estão previstos prémios de participação de:

  • 6.000 € – 1º Classificado (a deduzir posteriormente no valor de honorários na contratação)
  • 4.000 € – 2º Classificado
  • 2.000 € – 3º Classificado

 

8. PROPOSTA

A proposta técnica-comercial deve conter os seguintes documentos:

  •  Proposta de conceção de Arquitetura com todas as peças desenhadas e escritas necessárias com desenhos ao nível de detalhe de um Licenciamento Camarário.

. Plantas, Cortes e Alçados, escala 1/100

. Pormenores que se julgue relevantes escala 1/50

. Planta de Implantação

. Peças gráficas para melhor entendimento das escolhas estéticas propostas (exemplo: Esquiços, imagens 3D, maquetes, etc).

Memória Descritiva que deve explicar as escolhas conceptuais nos seguintes aspectos:

. Arquitectura(cumprimentodoprograma,volumetria,implantação,acessos,etc) o Sustentabilidade (materiais, térmica, recursos naturais, reciclagem, etc)

. Sistemas Solar Passivos (aquecimento, arrefecimento, ventilação, etc)

. Sistemas de produção autónoma de energia e a sua integração na arquitectura

  • Estimativa de Custos da Construção com a sua justificação para cada edifício.
  • Proposta de Honorários

. LoteC-EdificioFreeStyleAcademy o Lote B – Centro Social B

. MoradiaT1

. MoradiaT2

. MoradiaT3

. MoradiaT4

• Prazos de Execução, tendo em consideração a data objectivo para a entrega do licenciamento camarário.

9. VISITA AO LOCAL

Os concorrentes podem visitar o local após solicitação prévia ao Dono de Obra.

10. PEDIDO DE ESCLARECIMENTOS

Os concorrentes poderão fazer pedidos de esclarecimentos que serão sempre atualizados numa lista de “Pedidos de Esclarecimentos” com as respetivas respostas e distribuídos por todos os concorrentes que tenham manifestado interesse em concorrer.

Os esclarecimentos devem ser efetuados por escrito para o seguinte email: Zezere.EcoResort@gmail.com

11. CONTEÚDO E FORMA DE APRESENTAÇÃO DA PROPOSTA

As propostas devem ser apresentadas de uma forma anónima.
O invólucro da proposta deve conter no seu interior 2 peças. Um invólucro com a proposta técnica- comercial (peças desenhadas e escritas) e um envelope branco A4 selado com a identificação dos concorrentes e as restantes peças noutro envelope/caixa.

O Envelope com a identificação do concorrente no interior, deverá ter no seu exterior somente a menção “IDENTIFICAÇÃO DO CONCORRENTE”.
Em nenhum documento da proposta técnica-comercial deve haver uma forma de identificação do concorrente. A proposta técnica-comercial deve ser entregue em formato papel e digital (PEN USB).

As propostas devem ser entregues no seguinte endereço:

EIPWU lda à Att: Rita Mastbaum
Rua Arnaldo Ferreira, Bloco no 3, 3 D.
1750-412 LISBOA

12. ABERTURA DAS PROPOSTAS
a. CONFIDENCIALIDADE
As propostas serão numeradas por ordem de entrada. O mesmo número será marcado no envelope anónimo para identificação dos concorrentes após a sua classificação.

b. ABERTURA DE PROPOSTAS
A abertura das propostas será feita no dia seguinte à data limite de receção, em hora a comunicar posteriormente, e será transmitida publicamente por vídeo por meio da plataforma Google Meet.

13. AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DAS PROPOSTAS
As propostas serão avaliadas com os seguintes critérios:

CRITÉRIO
1. Qualidade da Solução Arquitetural e Integração Paisagística – 25 pontos
2. Cumprimento das Prescrições Técnicas e Programas – 25 pontos
3. Custo estimado para a construção – 25 pontos
4. Preço para a proposta do projeto de Arquitetura – 25 pontos
TOTAL 100 pontos

A pontuação do critério 1, é efetuado por um júri abrangente que incluirá as áreas da Arquitetura, Engenharia, Designers de Interiores, Promotores e Mediadores Imobiliários, que será designado e comunicado aos concorrentes antes da data limite da entrega das propostas.

A pontuação do critério 2, é efetuada segundo o cumprimento dos requisitos estabelecidos nas Prescrições Técnicas e Programas definido em anexo e analisado pelo gestor do projeto.

A pontuação dos critérios 3 e 4 é efetuada com base nos valores mínimos e máximos das propostas recebidas, sendo que o valor menor tem 25 pontos e o maior tem zero ponto. Os valores entre o valor mínimo e o máximo serão pontuados na sua proporção aritmética, no intervalo estabelecido.

14. EXCLUSÃO DE PROPOSTAS
Serão excluídas as propostas que:

  • Sejam entregues fora de prazo
  • Não cumpram os critérios de confidencialidade estabelecidas.
  • Tenham um preço anormalmente alto (valor 100% superior à média das propostas sem incluir o valor dessa proposta)
  • Não atinjam um mínimo 50% da pontuação em cada um dos critérios de pontuação 1 e 2,

    estabelecidos na AVALIAÇÃO.

15. SISTEMA DE CONTRATAÇÃO

Ao vencedor do concurso, será contratado o definido no ponto 4 (MISSÃO) com a seguinte divisão de honorários:

  • 30%-Projecto de Licenciamento Camarário
  • 50%-Projecto de Execução
  • 20%-AssistênciaTécnica

Para cada repetição dos projectos das moradias, será pago 20% do valor da proposta da referida moradia, para efeitos do trabalho de adaptação ao lote especifico e instrução dos processos de licenciamento.

16. DIREITO DO DONO DA OBRA

O Dono de Obra tem o direito de modificar, ajustar ou complementar uma ou mais partes deste Caderno de Encargos durante o processo do concurso e dará conta disso a todos concorrentes na mesma data. Tem igualmente direito de discutir modificações da conceção arquitetónica com os concorrentes no caso do recebimento máximo de 2 propostas ou de anular o concurso caso não receba nenhuma proposta satisfatória de acordo com as condições requeridas para o projeto.

Conceção arquitetónica do projeto Zêzere Ecoresort – PRESCRIÇÕES TÉCNICAS E PROGRAMA

1. INTRODUÇÃO

O princípio de desenvolvimento desta promoção é a de Eco Turismo Premium com vários pressupostos definidos como base de desenvolvimento, a saber:

  • Enquadramento paisagístico na natureza, com vista de uma paisagem que premeia a lagoa da albufeira de Castelo do Bode, a floresta onde está inserido o edifício e a vista desafogada a grande distância. Enquadramento nos elementos Terra, Ar e Água.
  • Uma construção com um conceito de Eco Turismo Premium com abundantes áreas exteriores privadas para promover o usufruto e uma vivência da natureza com total intimidade.

Um conceito de sustentabilidade a partir da escolha dos materiais a utilizar na construção, da eficiência energética passiva e ativa, e economia de recursos na construção e exploração.

2. MODULARIDADE

Privilegia-se as soluções modulares que permitirão atingir duas condições importantes para o desenvolvimento do projeto:

  • Economia na construção com a produção em série de módulos em fábrica e maximização do controlo de qualidade.
  • Tempo de construção no local de obra minimizado, de forma a minimizar a intervenção de obra no local e impactar o menos possível o ambiente da natureza e dos utentes já existentes durante a ampliação das várias fases.

3. SUSTENTABILIDADE

Em termos de sustentabilidade, tal como já referido anteriormente, pretendemos dar um enfase na escolha dos materiais o mais ecológicos possíveis e garantindo igualmente a sua reciclabilidade.

Na medida do possível incentivamos a utilização de materiais nobres da região nomeadamente da cortiça numa ligação natural aos inúmeros sobreiros existentes no local, das madeiras, das pedras da região (xisto amarelado) e outros materiais de reduzida pegada ecológica.

O respeito da topografia existente com o menor volume de escavação e aterro, bem como o enquadramento e respeito das arvores existentes, é pretendido na modelação do volume de construção minimizando a intrusão no ambiente e uma forte integração com a paisagem.

De referir que se pretende também uma exploração sustentável, pelo que questões como a manutenção de materiais em particular e da construção no geral, devem ser tidas em consideração. A utilização de sistemas de luz natural para evitar ao máximo a necessidade de iluminação artificial, de sistemas passivos de eficiência energética, de sistemas de produção de calor e frio, bem como de energia elétrica, terão de ser obrigatoriamente incluídos na proposta de Arquitetura.

Uma solução de reciclagem de águas cinzentas para utilização em rega e autoclismos é desejável.

4. EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

Sobre as questões de eficiência energética, as propostas de conceção devem incluir obrigatoriamente soluções devidamente integradas na arquitetura de:

• Conceitos de Edifícios Passivos, nomeadamente e não limitado a:
– Correto isolamento térmico em paredes, coberturas ef enestração, com especial atenção à eliminação de pontes térmicas.
– Correta conceção de ganhos solares com a correta fenestração, tanto em tamanho como na sua localização.
– Sistemas de sombreamento devidamente dimensionados para os meses de verão permitindo ganhos solares no inverno.
– Sistemas de ventilação natural.
– Sistemas de aquecimento solar (ex: paredes trombe, etc).
– Sistemas de arrefecimento passivo (ex: geotermia, poço canadiano, evaporativo, ventilação noturna, bomba de calor, etc).
– Utilização da Inércia Térmica como vetor estabilizador da temperatura interior.

• Produção autónoma de energia térmica e elétrica
– Produção de água quente sanitária através de painéis solares térmicos
– Solução de energia elétrica para autoconsumo, nomeadamente para a alimentação de veículos elétricos. Sugere-se nesta fase a consideração de uma área mínima de painéis fotovoltaicos de 30m2, por cada lote.
– É obrigatório uma solução Integrada dos vários painéis solares na arquitetura do edifício de forma a que a sua existência não seja percecionada como um elemento destacado da volumetria do mesmo. Relembra-se que para uma otimização dos ganhos solares é aconselhável que os painéis fotovoltaicos sejam virados a sul e tenham uma inclinação de aproximadamente 35º. Deve ser proposto um correto equilíbrio entre a estética e os ganhos solares e apesar de serem aceites soluções em plano horizontal, as propostas que considerem uma inclinação mais rentável de produção de energia terão uma avaliação superior.

 

5. MORADIAS

A ligação com a natureza é o motivo principal do ecoturismo.
Numa zona privilegiada das margens da albufeira de Castelo de Bode, com um cenário bucólico a enquadrar os vários edifícios, pretende-se elevar a um nível Premium o usufruto dos utentes da natureza.

A vivência exterior impõe-se necessariamente como uma extensão natural do edifício, tanto na sua vertente mais privada dos quartos, como na vertente mais social da sala de estar e jantar.
Sugere-se o eventual enquadramento de uma banheira de hidromassagem no exterior nas varandas dos quartos, ou da sala, de espaços para refeições e descanso no exterior da sala, uma zona de duche exterior, entre outros espaços e funções integradas numa vivência exterior de qualidade.

O enquadramento de uma piscina é desejável sem, contudo, ser um elemento muito mobilizador de ocupação e de grande custo de construção ou manutenção.

Os lotes definidos no projeto de loteamento têm uma área de implantação definida bem como a definição máxima de 2 pisos e da sua tipologia (ver quadro de síntese).

Em termos de declive, foi previsto no projeto de loteamento a possibilidade de colocação da moradia em estacaria de forma a poder ser ganho a variação altimétrica natural do terreno, sem recorrer a grandes aterros ou escavações. Os acessos às moradias far-se-ão o mais integrados possível no terreno e de acordo com a localização e altimetria da mesma.

As moradias apesar de terem um cariz de utilização familiar, inclusivamente de poderem ser adquiridas na sua totalidade por particulares, têm vários quartos que poderão ser ocupados por utilizadores independentes, no âmbito de uma rentabilização dessas unidades de alojamento na exploração turística do empreendimento. Dessa forma, é pretendido que esta exploração autónoma desses quartos, se faça em termos funcionais com a privacidade requerida, bem como com as condições de usufruto dum quarto premium de um hotel.

As moradias têm previsto um lugar de estacionamento para uma viatura ligeira e um espaço para um buggie elétrico, veículo privilegiado para a mobilidade motorizada no interior do EcoResort.

Pela implantação diferenciada na altimetria do empreendimento, as coberturas das moradias serão visíveis pelas moradias que estão implantadas em cotas mais altas, pelo que se recorda tal como referido no ponto 4, a necessidade de uma correta integração dos painéis solares, bem como de outros eventuais elementos, nas coberturas das moradias.

6. FREESTYLE ACADEMY (Lote C)

No princípio dos anos 80, apareceu o primeiro skatepark em Portugal montado no exterior do Autódromo do Estoril e era feito numa plataforma construída em madeira com 2 zonas de atividades. Desde essa altura que a evolução destes equipamentos, que hoje em dia estão disseminados pelo país, progrediram com o tempo para a inclusão de outros praticantes como de patins, BMX, BTT, parkour, escalada, snowboard e wakeboard, mas sempre como um equipamento outdoor executado na maior parte das vezes em betão armado.

Pela ligação local aos desportos aquáticos e de percursos na natureza, pretende-se desenvolver um centro coberto de prática destes desportos, que permita não só o treino dos desportistas destas áreas em toda a altura do ano, como servir de um centro de formação onde esta prática é iniciada sob controlo de monitores e em condições de segurança acrescidas, nomeadamente para a queda amortecida em grandes piscinas de “foam pit”.

Esta pretende ser também a primeira academia na Europa com a chancela da WWA-World Wakeboard Association.

Este edifício tem previsto no loteamento a possibilidade de 2 pisos acima do solo e 2 caves para um parqueamento de 56 lugares de estacionamento subterrâneo que servirá todo o empreendimento do EcoResort. Na cobertura deste edifício deverá estar prevista a colocação de uma ampla instalação de painéis fotovoltaicos para autoconsumo e instalação de um posto de carga de veículos elétricos. Estes painéis deverão estar devidamente integrados na arquitetura, tal como no caso das moradias.

A receção deste edifício, servirá igualmente como receção para todo o empreendimento do EcoResort, pelo que a sua boa articulação com o parque de estacionamento deverá ser garantida bem como a dualidade de funções de receção em simultâneo, Freestyle Academy e EcoResort.

Na área prevista para as atividades Freestyle pretende-se incluir zonas de bancadas, Street Skate, Bag Jump, Skate Bowl, Snow Flex, Boulder Wand, Air Track, Paredes de Escalada, Rapel, Trampolim, etc.

As áreas de suporte à atividade desportiva deve incluir zonas de receção, balneários, spa, piscina coberta, 2 salas de formação, 2 salas de conferências, sala de jogos, bar com capacidade de refeições ligeiras e 10 quartos de alojamento direcionadas ao publico mais jovem.

Tem-se como base uma organização funcional semelhante ao http://www.freestyleacademy.com/

Para facilitar um pouco a pesquisa sobre uma possível organização das actividades, dá-se meramente a título de exemplo alguns dados obtidos da Freestyle Academy de Laax, que apesar de ser um edifício com uma área superior (praticamente o dobro) ao nosso edifício permite dar uma ideia do conceito pretendido.

1. Uma mini-ramp com um corner, totalmente feita de madeira e anexada a uma semi bowl (12m x 17m)
2. Uma área com 4 camas elásticas, duas das quais com saída na piscina de foam pit (17m x 17m)

3. Piscina de foam pit, para experimentar acrobacias sem se preocupar na aterrissagem 4. Um pavimento insuflável de 12 metros de comprimido dedicado ao corpo livre e ginástica tipo solo

5. Um quarter-pipe com aterrizagem na piscina de foam pit
6. Uma área em neve sintética dedicada a esqui e snowboard com percursos de slopestyle (rails e boxes) disponível em vários níveis

7. Área para escalar paredes
8. Um half-pipe alto 90 cm, em madeira dedicado ao skateboarding
9. Três Big Air dedicados ao esqui, snowboard, skateboard e BMX com aterrissagem seguro garantido por uma piscina de foam pit
10. Recepção bar e arquibancadas (8m x 17m),

7. CENTRO SOCIAL B

O Centro Social B está localizado em baixo junto à linha dos 50 metros e destina-se a dar apoio a quem passeie a pé junto à albufeira e pretenda ter acesso à praia fluvial bem como ao pontão de embarcações. Terá uma instalação sanitária de apoio, um pequeno bar e esplanada e zona de arrumação para material desportivo. A sua conceção arquitetónica deve ter em consideração o conceito desenvolvido para as moradias e o FreeStyle Academy.

Na cobertura deste edifício deverá estar prevista a colocação de uma ampla instalação de painéis fotovoltaicos para autoconsumo e a ligação a um posto de carga para o barco elétrico. Estes painéis deverão estar devidamente integrados na arquitetura, tal como no caso das moradias e do FreeStyle Academy.

 

8. QUADRO SINTESE

Conceção arquitetónica do projeto Zêzere Ecoresort

 

Consulte toda a informação no pdf.

LINKS
ESPECIFICAÇÕES
  • Concurso: Conceção arquitetónica do projeto Zêzere Ecoresort
PDFS
Galeria
concursos RELACIONADOS
PUBLICIDADE

Goma by Flowco

Azulejos ecológicos fabricados em Portugal