Arquivo de Álvaro Siza pode ir parar ao Canadá

Categorias: Arquitetura

Arquitecto do Pavilhão de Portugal e do Museu de Serralves confirma negociação com o Centro Canadiano de Arquitectura, em Montreal, mas diz que está tudo ainda por decidir.

 

O arquivo de Álvaro Siza, cuja obra está já representada em instituições de Paris, Londres e Nova Iorque, poderá ir agora também integrar os fundos do Centro Canadiano de Arquitectura (Centre Canadien d’Architecture, CCA), em Montreal, uma das mais importantes instituições do mundo relativas a esta disciplina.

 

 

O arquitecto confirmou esta quarta-feira ao PÚBLICO estar “em conversações” com esta e outras instituições de diferentes países com o objectivo de “decidir o futuro a dar” aos seus arquivos. Mas recusou nomear as outras, e também não disse se entre elas se encontram entidades portuguesas.

 

“Não posso avançar nada, porque ainda não decidi nada, nem sei quando é que isso vai ser decidido”, adiantou Siza.

 

A informação de que parte considerável do acervo do mais mediático arquitecto português, de 81 anos, prémio Pritzker em 1992, poderá vir a sair do país já corre, desde há algum tempo, nos meios da arquitectura, provocando o debate e alguma inquietação. Mas a informação continua a ser muito escassa, e o autor do Pavilhão de Portugal estará a tentar assegurar as melhores condições de salvaguarda dos testemunhos da sua obra — desenhos, maquetas, fotografias e outros documentos… —, procurando fora do país uma alternativa à falta de condições internas para o efeito.

 

 

“Nunca ninguém se preocupou”

“Nunca ninguém se preocupou com os meus arquivos e com a minha arquitectura; agora é que começam a fazer-me perguntas”, realçou Siza. “Tenho sido contactado por bastante gente. Estou a conversar e a analisar várias hipóteses, que podem dar desde nada a uma qualquer fundação como destino.”

 

Contactado pelo PÚBLICO, o CCA, através do seu gabinete de imprensa, não confirmou a negociação com o arquitecto português. “Não temos comentários a fazer. Mas conhecemos a imensa contribuição da obra de Álvaro Siza no mundo da arquitectura contemporânea, e teremos muito interesse em colaborar no processo de salvaguarda e de investigação dos seus arquivos, se essa oportunidade surgir. Mas é prematuro estar a falar disso”, disse a assessora Isabelle Huiban.

 

A chegar a bom termo esta negociação, os arquivos de Siza irão fazer companhia a outros de figuras grandes da arquitectura mundial, como o norte-americano Peter Eisenman, o italiano Aldo Rossi ou o inglês James Stirling.

 

 

À decisão de Álvaro Siza de partir para este processo não terá sido estranho o mal-estar que o arquitecto manifestou, já por diversas vezes, relativamente à falta de atenção que sente no seu país relativamente ao estado de alguns dos edifícios que projectou em solo nacional, como o já referido Pavilhão de Portugal, em Lisboa.

 

Um dos projectos que ficou pelo caminho foi o da Casa da Arquitectura, que Siza desenhou na década passada para a marginal do rio Leça, em Matosinhos — a sua cidade natal e onde uma casa da sua família, e onde também viveu, foi entretanto transformada pela câmara municipal num Centro de Documentação com o nome do arquitecto.

 

“O projecto da Casa da Arquitectura acabou, foi anulado, nem sequer foi candidatado [a fundos comunitários]. É aquilo a que se pode chamar um arquivo morto”, lamenta Siza.

 

A associação Casa da Arquitectura, criada em 2007 também em Matosinhos, tem desde o início do mês de Julho um novo director executivo, Nuno Sampaio. Confrontado pelo PÚBLICO com a eventual saída dos arquivos do arquitecto da Casa de Chá da Boa Nova — que esta sexta-feira, curiosamente, vai ser reinaugurada como restaurante, depois de restaurada —, o novo responsável diz que o projecto da Casa da Arquitectura “está congelado, mas não abandonado”.

 

“Comigo, inicia-se uma nova fase. A Casa da Arquitectura tem de procurar criar condições para acolher o arquivo de Siza”, realça Nuno Sampaio, mesmo se admite que a situação de crise do país não proporcionará, no imediato, as melhores condições para o efeito.

 

Sobre a negociação que poderá levar à saída dos arquivos do arquitecto matosinhense para o estrangeiro, Nuno Sampaio limita-se a dizer que “devemos respeitar e salvaguardar a liberdade de o arquitecto Siza fazer o que bem entender daquilo que é seu”. E acrescenta compreender, pela relevância da sua obra, que Siza “queira deixar a sua presença em várias partes do mundo, para além de Portugal”.

 

Serralves pode ser solução

A mesma compreensão é manifestada pelo presidente da Fundação de Serralves, onde Siza projectou o museu de arte contemporânea (MACS) e, mais recentemente, a readaptação da antiga garagem do Conde de Vizela para acolher o acervo de Manoel de Oliveira — um projecto que “só aguarda o aviso para poder concorrer a apoio comunitário”, explica Luís Braga da Cruz.

 

Fonte: Público

 

Imagens:

Desenhos de Siza Vieira

Fundação Serralves (1999)

Casa de Chá, Leça | Desenho Siza Vieira

Centro Galego de Arte Contemporânea em Santiago de Compostela (1993)

Reitoria da Universidade de Alicante (1997)

 

 

Galeria
noticias RELACIONADOS
PUBLICIDADE

Archicad 24

Clique aqui para saber mais.

3DHR Multimédia

Desenvolvemos projetos em 3D para arquitetura e design interiores