Concurso de Concepção para a Elaboração do Projecto da Cooperativa Agrícola do Concelho de Paredes, Incubadora para o Design de Mobiliário e Artes Decorativas e Oficinas Criativas | Resultados

Categorias: Arquitetura

Começando por manifestar a todos os concorrentes o agrado com que recebeu e pôde analisar um tão elevado número de trabalhos, num total de 39 trabalhos admitidos, o Júri do “Concurso de Concepção para a Elaboração do Projecto da Cooperativa Agrícola do Concelho de Paredes, Incubadora para o Design de Mobiliário e Artes Decorativas e Oficinas Criativas”, promovido pela Cooperativa Agrícola do Concelho de Paredes, com a Assessoria Técnica da Secção Regional do Norte da Ordem dos Arquitectos (OASRN), destacou a qualidade resultante da dedicação dos participantes, manifesta na maioria dos trabalhos apresentados.

 

 

De entre os projectos apresentados, o Júri do Concurso deliberou pela seguinte ordenação, dos 10 primeiros classificados:

1.º Classificado – AND-RÉ arquitectura (Bruno André & Francisco Ré, Lda.)

2.º Classificado – Tiago Figueiredo & Luís Pena Arquitectos, Lda.

3.º Classificado – aNC arquitectos (Arqt.º Jorge Manuel Ferreira de Carvalho)

4.º Classificado – Nuno Brandão Costa, Arquitecto, Unipessoal, Lda.

5.º Classificado – Neto Pereira Silva Arquitectos Associados, Lda. (Arqt.º Rui Miguel de Oliveira Neto)

6.º Classificado – Bruno Oliveira Marlene dos Santos e João Matos

7.º Classificado – Iperforma, SA. (Arqt.º Lucindo Barros)

8.º Classificado – Pedro Miguel Quadros Pedroso

9.º Classificado – César Manuel Leite Cerqueira; Filipe Fonseca Costa; Rui Pedro Filipe Santos

10.º Classificado – Impromptu, Arquitectos Lda. (Arqt.º Tiago Miguel Branco Sampaio)

 

 

Conforme se extrai do Relatório Final do Júri, considera este que, a proposta apresentada pelo concorrente AND-RÉ arquitectura é globalmente “(…) a proposta que melhor interpreta o programa da Cooperativa Agrícola e Incubadora para o Design de Mobiliário e Artes Decorativas e Oficinas Criativas.”

 

 

Trata-se de uma “proposta apurada”, que “(…)incorpora uma imagem contemporânea e identitária.”

“O projecto revela uma pacífica relação com a envolvente, associando o programa à identidade das ruas e dos acontecimentos urbanos, relacionando densidades, altimetrias, tipologias e fluxos, associando as zonas mais privadas do programa às ruas de índole mais residencial (norte), e as zonas de maior afirmação/destaque do programa com as zonas de maior fluxo pedonal e urbano da envolvente (sul e poente). A permanência da Cooperativa no mesmo local facilita o seu reconhecimento e identificação (memória colectiva).”

 

 

“A autonomia dos volumes-hangares, que incorporam as várias valências do programa, permite uma flexibilidade futura adequada à imponderabilidade programática contemporânea.”, da mesma forma que “a implantação dos edifícios, possibilitando atravessamentos pedonais transversais, garante permeabilidade urbana e vivências sociais de proximidade”.

 

 

A proposta apresentada pelos concorrentes Tiago Figueiredo & Luís Pena Arquitectos, Lda. destaca-se “(…) pela sua unidade formal compacta, de matriz claramente contemporânea”.

 

 

A estratégia de implantação e volumetria adoptada “(…) permite relações de escala adequadas com a envolvente, intimista a norte do terreno, urbana e impositiva no gaveto da R. Infante D. Henrique/ Alameda Dr. José Cabral.”

Realçando “(…) o equilíbrio entre a contenção volumétrica e a existência de generosos pátios”, o Júri põe em evidência “(…) o rigor na distribuição e formalização programática da proposta, que define claramente dois níveis funcionais (o edifício estrutura-se em volta de dois grandes pátios, gravitados por programas com afinidades funcionais: um pátio público ligado às actividades económicas amplamente aberto sobre a rua, “pátio mercado”, e um pátio privado ligado à investigação, reservado e intimista, “pátio do design”).”

 

 

O concorrente aNC arquitectos apresenta uma “proposta muito adequada na imagem que cruza o carácter urbano definido pela volumetria com alusão ao universo agrícola nos materiais e composição de fachadas. O projecto com registo assumidamente urbano, define frentes de rua sensíveis à escala da envolvente, com uma imagem que alude aos edifícios de armazenamento com sucessiva camadas de intervenções, mas pacificadas pela uniformidade dos materiais.”

 

 

A organização do programa proporciona “(…) qualificados espaços de extensão exterior das várias valências programáticas (…)”, e “a tipologia das residências permite (..) várias apropriações e versatilidade de usos entre o habitar e trabalhar.”

 

 

Ao concorrente classificado em 1.º lugar será atribuído um Prémio de Consagração no valor de 10.000€, sendo ainda atribuídos Prémios de Participação aos concorrentes classificados em 2.º e 3.º lugares, de respectivamente 7.000€ e 5.000€.

 

 

O Júri foi constituído pelo Eng.º José Augusto Barbosa Leão, representante da Cooperativa Agrícola de Paredes, pela Arqt.ª Luísa Trigo, convidada pela Cooperativa Agrícola de Paredes, pelo Designer Paulo Alexandre da Silva Taveira convidada pela Cooperativa Agrícola de Paredes, pelos Arqtos. Cristina Guedes e Miguel Malheiro, designados pela OASRN. As reuniões de Júri contaram ainda com a presença do Arqt.º Tiago Correia (elemento suplente designado pela OASRN), enquanto consultor.

 

 

1.º Classificado – AND-RÉ arquitectura (Bruno André & Francisco Ré, Lda.)

 

 

2.º Classificado – Tiago Figueiredo & Luís Pena Arquitectos, Lda.

 

 

3.º Classificado – aNC arquitectos (Arqt.º Jorge Manuel Ferreira de Carvalho)

 

Galeria
noticias RELACIONADOS
PUBLICIDADE