Cosentino C-Guide coloca Chicago na sua lista de cidades

Categorias: Arquitetura

C-Guide, a aplicação da Cosentino em parceria com a Fundación Arquitectura Contemporánea, acaba de juntar Chicago à lista de 7 cidades que contribuem com os seus projetos arquitetónicos de referência. Londres, Los Angeles, Barcelona, Paris, Sidney e Amsterdão eram as cidades presentes no C-Guide, que conta agora com mais de 1.500 projetos arquitectónicos de diferentes origens e tipologias.

A aplicação C-Guide pode ser adquirida de forma totalmente gratuita, e visitado em www.c.guide.

A tradição arquitectónica moderna, nascida nesta cidade no final do século XIX e cultivada sem interrupção ao longo do século XX, está muito presente na cultura arquitetónica contemporânea da cidade. Prova disso são os inúmeros projetos de restauração e preservação do património moderno incluídos no guia, que atualmente nos permitem desfrutar de grandes ícones da história da arquitetura, como a casa Robie, o Templo da Unidade de Frank Lloyd Wright ou os apartamentos em Lake Shore Drive de Mies Van der Rohe.

A comunidade universitária assume também um papel especial como fonte de produção arquitetónica de qualidade nas nossas cidades. Em Chicago, Mies Van der Rohe projetou o famoso Instituto de Tecnologia de Illinois (IIT), definindo uma direção moderna para os campus da cidade e, desde então, diferentes arquitetos têm feito contribuições valiosas a esse respeito.

Devido à sua natureza essencialmente contemporânea, C-Guide inclui obras construídas a partir de 1979, numa reflexão de 40 anos, que nos dará uma interessante perspetiva sobre a evolução da arquitetura global. Os diferentes projetos são escolhidos por um comité científico, designado pela Contemporary Architecture Foundation, que toma em consideração três segmentos de interesse:

  1. Tensão global-local: projetos com duas direções inversas: que reforçam as especificidades locais de cada cidade e / ou propensas à homogeneização espacial do mundo.
  1. Função simbólica: projetos que geram processos participativos coletivos, espaços que simbolizam o surgimento de identidades geográficas e / ou locais que geram imagens coletivas através do cinema ou dos meios de comunicação.

 

  1. Espaço público: obras que desempenham um papel urbano e que geram reuniões e trocas e / ou espaços públicos cruciais que fazem as cidades entenderem.

 

Os edifícios presentes no C-Guide dividem-se em três categorias:

C: Arquitetura muito boa. Projeto que deve ser visitado, se estiver naquela zona;

CC: Excelente arquitetura. Projeto que tem que ser visitado, se estiver naquela cidade;

CCC: Arquitetura Excepcional. Projeto a visitar, esteja onde estiver.

Todos os projetos são acompanhados por uma galeria de imagens (por vezes podem até incluir planos ou desenhos do processo de design) e uma ficha informativa com uma descrição da obra, autor, ano de construção, localização, classificação (C, CC, CCC), visitabilidade (visitável, visível da rua, visita combinada ou não visitada) e rótulos (eles ajudam na interpretação e são propostos pelo comité do C-Guide, bem como pelos próprios usuários). A plataforma oferece a possibilidade de fazer uma pesquisa rápida pelo usuário, levando em consideração os mesmos parâmetros incluídos na folha de informações de cada projeto.

 

Fotos:
City Hide Park – Studio Gang
University of Chicago — Studio Gang
N Franklin – John Ronan Architects

LINKS
VÍDEOS
Galeria
noticias RELACIONADOS
PUBLICIDADE

Subscrever Newsletter

Já subscreveu a nossa newsletter?