Dupla Chilena/Portuguesa comissaria Ciclo de Conferências 2020–2022

Categorias: Arquitetura

A proposta de Felipe De Ferrari e Diana Menino para o ciclo de conferências foi seleccionada de entre 26 candidaturas provenientes de 11 países. Os membros do júri internacional consideraram que a cativante proposta detinha o potencial para uma reflexão profunda acerca de alguns dos principais e prementes assuntos da arquitectura contemporânea. O Ciclo de Conferências 2020–2022 — que tem o nome «Campo Comum» — junta os ciclos de conferências organizados em conjunto pela Trienal de Arquitectura de Lisboa e o CCB – Garagem Sul (Distância Crítica, desde 2011, e Conferências da Garagem, desde 2017). Pretende focar-se em temas que são extremamente relevantes para a sociedade, permitir partilha de práticas contemporâneas e antecipar respostas para as principais questões da actualidade, reunindo em Lisboa reflexões a nível global, conferindo especial destaque ao panorama europeu.

A escolha do júri recaiu sobre a dupla de arquitectos Chilena/Portuguesa composta por Felipe De Ferrari e Diana Menino Ferreira. Ferrari é co-fundador da 0300TV (2007), da OnArchitecture (2012) e da Plan Común (2012), já deu conferências e participou em seminários por todo o mundo, e foi professor na PUC Architecture School, entre 2014 e 2018. Menino trabalhou em vários projectos de arquitectura, fundou um empreendimento independente que pretende recuperar uma pequena empresa têxtil, é co-fundadora da Campo Arquitectura e iniciou recentemente uma colaboração com a Artworks enquanto Coordenadora de Arte para a região de Lisboa.

O programa proposto captou a atenção do júri pela sua pertinência e adequação, sugerindo uma reflexão profunda, que é entendida num âmbito vasto e num compromisso claramente multidisciplinar. Os seus princípios simples, no entanto, fogem às respostas óbvias a este tipo de calls. Nas palavras do júri «a dupla Ferrari & Menino revela uma preocupação com a cuidadosa gestão dos recursos (…). O seu enfoque na Europa e em oradores europeus não é apenas pragmático mas louvável já que o conhecimento profissional surge muitas vezes a partir de regiões culturais circunscritas e expande-se como consequência de diálogos entre estas».

Esta proposta recusa centrar-se em oradores individuais «escolhendo convidar essencialmente colectivos de especialistas, enfatizando as redes de conhecimento que presentemente causam impacto no continente, comunicando ao público uma mudança na direcção das estruturas colectivas e comuns, e beneficiando a massa crítica de cada sessão». Assegurando a presença de um conjunto de vozes de áreas relacionadas, «este programa consegue gerar novo e específico conhecimento, com uma relevante contribuição para a disciplina, a um nível internacional».

Houve mais elogios à sugestão de estender os eventos para lá dos espaços providenciados e da cobertura media planeada, promovendo visitas locais e uma série de micro eventos com estudantes locais, enriquecendo o programa de conferências e constituindo uma abordagem interessante na perspectiva do público lisboeta. Também se considerou particularmente importante o compromisso com a promoção de uma maior igualdade de género entre oradores convidados.

A dupla de comissários seleccionada faz a sinopse do novo ciclo de conferências, de acordo com a sua perspectiva curatorial: «Como uma disciplina que é indiscutivelmente tão antiga quanto a própria humanidade, a arquitectura é uma questão de senso comum no seu significado mais literal: um conhecimento colectivo e estratégico sobre espaço e recursos, que é, e pode ser, potencialmente aplicado por todos, em qualquer comunidade, ambiente ou cultura, através de uma série de mecanismos, dispositivos, estruturas, formas e agendas. É um processo acumulativo de apropriação, imitação, repetição, tradução e recontextualização constante, de mente aberta e atitude generosa; com pragmatismo e humor; com base em situações físicas e uma análise cuidadosa da realidade material e das condições sociais.

O senso comum é precisamente o que está em jogo no actual contexto de neoliberalização global e decadência política; um projecto arquitectónico radical não é apenas desejável, é necessário. Por meio de uma atitude crítica e optimista em relação a contextos físicos e culturais, políticas, agendas e clientes, a arquitectura pode apropriar-se da realidade de maneira radical e inesperada — da pesquisa à construção —, tornando visível o seu potencial e contradições, desenvolvendo projectos que possibilitem ideias emancipatórias, construindo não apenas o espaço, mas também a arquitectura como um campo comum. No final, tudo é um potencial projecto de arquitectura».

O objectivo do Open Call lançado em conjunto pela Trienal de Arquitectura de Lisboa e pelo CCB – Garagem Sul em Maio de 2019 foi reunirem-se propostas para o desenvolvimento de um ciclo de conferências que mantivesse o discurso dos ciclos anteriores e fosse relevante para a agenda cultural internacional, cativando autorias de diferentes contextos geográficos. Pretendia-se que o comissariado definisse o conceito do ciclo de conferências de 3 anos — que irá decorrer entre Março de 2020 e Novembro ou Dezembro de 2022, e tomar lugar no CCB, em Lisboa —, assim determinando o painel de oradores e organizando, apresentando e moderando cada uma das conferências do ciclo. O call terminou no dia 1 de Julho e reuniu candidaturas da Ásia, da América (Norte e Sul) e Europa, que foram tão variadas quanto a sua proveniência.

O júri composto por José Mateus, Manuel Henriques, Madalena Reis, André Tavares e Irina Davidovici sublinhou quão positivo foi ter-se deparado com tantos conceitos diferentes, de tão diversas latitudes, considerando muitas das propostas dignas de serem consideradas para outros programas que a Trienal e o CCB – Garagem Sul possam vir a desenvolver. Numa nota final, devemos destacar o facto de que os organizadores ficaram impressionados pelas qualidade e diversidade das muitas propostas recebidas.

LINKS
Galeria
noticias RELACIONADOS
PUBLICIDADE