Inês Lobo vence concurso para o Edifício Biomed III do Pólo das Ciências da Saúde da Universidade de Coimbra

Categorias: Arquitetura

Edificado

Por forma a permitir libertar a área para este espaço de fruição pública, o edifício contraria a implantação longitudinal proposta no plano e concentra o volume edificado numa forma aproximadamente quadrada de dimensão equivalente à da Praça que lhe é fronteira, onde se situam as áreas laboratoriais e as áreas de direcção, átrio principal e auditório. Ambos os espaços – volume e praça – assentam numa plataforma de dois pisos que encaixa na pendente natural do terreno.

 

Espaço Público

O Polo III da UC conta já com um sistema de espaços abertos de fruição pública, inseridos na rede pedonal e no edificado, cintado pelo sistema de circulação rodoviária que o limita. De tipografia acidentada, este conjunto edificado implanta-se num terreno de razoável pendente, onde as circulações pedestres e o edificado se inscrevem em plataformas sucessivas sobre o vale a Poente. O sistema de espaços públicos centra-se em três espaços:

a Praça Principal (A) no centro do Pólo; dois sistemas de alamedas (B) que ladeiam a Praça e se associam a esta; e a Norte, mais periférica, a Praça da Capela (C), junto ao edifício das Residências Universitárias.

A proposta que se apresenta junta a estes três lugares uma quarta praça, associada ao novo edifício, no limite Poente do Polo, no lote previsto para a construção do edifício do Biomed III. Ao contrário dos restantes espaços abertos do Pólo, a Praça do Biomed (D) situa-se fora do núcleo pedonal central, na fronteira deste conjunto edificado com o verde do vale a Poente. Com uma relação de escala próxima com a Praça Principal, a nova Praça tem acesso directo a este espaço público central através da escadaria que ladeia a Biblioteca. Orienta-se a Sul e Poente, e implanta-se à cota 88.00 ligeiramente encaixada em relação à cota da rua que lhe dá acesso e é o lugar a

partir do qual se acede ao interior do edifício.

 

Topografia

A adaptação da implantação dos diversos pisos à topografia existente permite optimizar as áreas e volumes de escavação, ao mesmo tempo que qualifica os espaços interiores. A área de implantação tal como é aqui proposta, ao avançar para poente ganha frente em altura o que permite que todos os pisos, passem a ter pelo menos uma frente livre, a Poente, minimizando os movimentos de terras. Os dois pisos abaixo da cota da rua acabam por ter uma relação franca com a vista a Poente, quer no piso -1 onde se situam as Plataformas Tecnológicas e o Biotério, quer no piso -2 onde se situa o estacionamento num espaço tratado como um espaço exterior coberto, minimizando as necessidades ao nível das ventilações mecânicas. Esta solução de implantação e encaixe no terreno permite ainda a implantação do Biotério num só piso, o que optimiza circulações, aumenta a segurança e minimiza custos e áreas – áreas de circulação e áreas que correspondem a programas que não é mais necessário repetir em cada piso.

 

Ficha Técnica

Arquitectura (Coordenação Projecto):

Inês Lobo, João Rosário, João Vaz,, Júlia Varela, Henrieta Selcová, Vasco Lopes, Sónia Ribeiro.

 

Especialistas:

Isabel Sarmento

Guilherme Campos

Pedro Pereira

Rodrigo Castro

Marta Peleteiro

Bruno Guinapo

José Manuel Reis Lima Freitas

Luisa Guardão

 

Mais informações

 

Imagens da proposta

Galeria
noticias RELACIONADOS
PUBLICIDADE

Subscrever Newsletter

Já subscreveu a nossa newsletter?