José Adrião vence Prémio Vilalva 2011

Categorias: Arquitetura

O Prémio Vasco Vilalva 2011 para a recuperação e valorização do património foi atribuído a um projecto de recuperação e adaptação de um edifício pombalino, da autoria do atelier José Adrião Arquitetos.

 

Situado em plena baixa lisboeta, na intersecção da Rua dos Fanqueiros com a Rua da Conceição, “o edifício encontrava-se em avançado estado de degradação e tinha sofrido inúmeras intervenções ao longo dos tempos que afectaram gravemente a sua unidade funcional e estrutural, nomeadamente a estrutura de gaiola, pondo em causa a proteção antissísmica”, pode ler-se no portal da Fundação Calouste Gulbenkian, criadora do prémio.

 

O projeto de recuperação, iniciado em 2007, propôs o aumento do número de apartamentos de dez para catorze – o edifício, denominado hoje de Baixa-House, foi convertido em unidade residencial de curta duração, podendo, de acordo com o projeto, converter-se, no futuro, numa unidade de habitação permanente. Para além disso houve uma cuidadosa reparação dos elementos estruturais em falta. E a substituição integral de todas as infra-estruturas.

 

De acordo com a mesma fonte, este projeto “constituiu um esforço importante para a revitalização da Baixa como zona residencial de eleição”, reunindo a unanimidade do júri, que o considerou “um exemplo de boas práticas numa zona em que a reabilitação urbana é especialmente sensível”, destacando “o modo como conseguiu uma expressão actual, respeitando o património edificado, a sua natureza urbana e arquitetónica”.

 

O júri salientou ainda “a coerência entre o projecto de arquitectura e a decoração do edifício, em especial no aproveitamento ou reutilização de materiais e objectos”, bem como a “sintonia entre o arquitecto e o dono da obra”.

 

Entre as cerca de duas dezenas de projetos a concurso, esta obra foi escolhida de um conjunto de três finalistas, que incluía a reabilitação e reutilização de um edifício na Rua de Trindade Coelho no Porto e a intervenção levada a cabo na Associação Comercial e Industrial de Guimarães (Casa dos Lobo Machado).

 

O Prémio Vilalva, no valor de 50 mil euros, foi criado pela Fundação Calouste Gulbenkian em homenagem ao filantropo Vasco Vilalva e distingue, anualmente, um projecto de intervenção exemplar no âmbito do património (bens móveis e imóveis de valor cultural).

 

Ver Projecto dos Fanqueiros

 

 

Galeria
noticias RELACIONADOS
PUBLICIDADE

Registe a sua Empresa

Crie a sua conta gratuitamente e promova os produtos da sua empresa.