Lisboa: Prédios dos grandes grafitti na Fontes Pereira de Melo vão ser reabilitados

Categorias: Arquitetura

A Câmara de Lisboa adiou a discussão de um projecto para requalificar o conjunto de três edifícios abandonados na Avenida Fontes Pereira de Melo que ganhou notoriedade nos últimos anos devido aos seus grafitti de grandes dimensões. Depois de muitos anos de abandono e degradação, com uma petição pública e um incêndio pelo meio, autarquia e proprietário chegaram a acordo. Para trás ficou a intenção de ali erguer uma torre, propondo-se agora a manutenção das fachadas, do número de pisos à superfície e a reconstrução da cobertura.

O conjunto de edifícios, que ocupa um quarteirão entre a Fontes Pereira de Melo e as ruas Martens Ferrão e Andrade Corvo, é um dos últimos exemplos de arquitectura de finais do século XIX e princípios do XX naquela zona da cidade, que cresceu por iniciativa de Ressano Garcia. No terreno existiam ainda mais dois edifícios da mesma época, mas foram demolidos em 2004.

O projecto da empresa Azipalace, do grupo hoteleiro Sana, prevê a reabilitação dos três edifícios existentes, a construção de dois e a demolição de uma estrutura em lajes de betão existente nas traseiras. Os novos edifícios serão construídos na Rua Martens Ferrão (sete pisos e aproveitamento da cobertura em sótão) e na Rua Andrade Corvo (seis pisos e aproveitamento da cobertura em sótão). Os cinco imóveis destinam-se maioritariamente ao uso habitacional, ainda que incluam áreas de serviços. Prevê-se a criação de 136 fogos.

No ano passado, a Assembleia Municipal de Lisboa analisou uma petição com 396 assinaturas que pugnava pela salvaguarda do quarteirão, tendo recomendado à câmara que tomasse “as necessárias diligências junto do proprietário para acabar com a degradação desses edifícios situados numa das mais importantes avenidas da cidade”. Em Março deste ano deflagrou um incêndio na cobertura dos prédios. Segundo informações então recolhidas pelo PÚBLICO, a PJ acredita ter-se tratado de um acidente, até porque os imóveis eram usados por pessoas sem-abrigo.

Depois de chumbada a pretensão de uma torre, os serviços de Urbanismo da autarquia emitiram em Junho um parecer favorável ao projecto “condicionado à necessidade de a operação urbanística assegurar a instalação de uma creche para 42 crianças”, em alternativa à cedência de uma parcela para aquele fim.

Numa nota enviada às redacções e à Câmara de Lisboa, o movimento cívico Fórum Cidadania LX transmitiu um “aplauso fervoroso” ao vereador Ricardo Veludo pelo facto de submeter para discussão este projecto. “Não sendo o projecto ideal, porque, uma vez mais, estamos perante o esventramento do subsolo para efeitos de estacionamento automóvel, com a consequente impermeabilização do solo e uma maior presença de carros no centro da cidade, onde por sinal existem metropolitano e várias carreiras de autocarro, trata-se de um projecto que representa uma vitória para a cidade e para todos os que lutaram para que aquele conjunto singular da Avenida Fontes Pereira de Melo não fosse demolido”, salienta o movimento.

 

Fotos
Os grafitti que enfeitam as fachadas JOAO GASPAR – PÚBLICO
Perspectiva 3D de como ficará o conjunto DR

Galeria
noticias RELACIONADOS
PUBLICIDADE

Biblioteca BIM Leca ®

»