Reconversão de Praça de Touros de Viana em Complexo Desportivo

Categorias: Arquitetura

A reconversão da antiga praça de touros da cidade (desativada há cerca de sete anos) em complexo desportivo, vai ter início no próximo mês de junho, informou o presidente da Câmara de Viana do Castelo.

Segundo o autarca José Maria Costa a obra de reconversão da antiga praça de touros está integrada no Plano Estratégico de Desenvolvimento Urbano (PEDU), candidatado ao programa comunitário do Portugal 2020.

“O estudo feito pelo Instituto da Construção da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto à capacidade de resistência da estrutura está concluído e já temos um arquiteto da Câmara a trabalhar no projeto”, esclareceu.

José Maria Costa avançou ainda que, após a reconversão, a antiga praça de touros será rebatizada com o nome “Praça Viana”.

A intenção da autarquia passa por transformar o espaço numa estrutura multifunções, que sirva o desporto e os jovens do concelho, apto para a prática de várias modalidades, em simultâneo, como ginástica, esgrima, patinagem artística e hóquei em patins e basquetebol.

O projeto previsto para a antiga arena, com uma área de 3.800 metros quadrados, e cerca de 65 metros de diâmetro, pretende dar resposta à “falta de condições físicas com que se debate a EDV”, clube que completa em maio 40 anos de existência e tem cerca de 1.300 atletas. Este projeto é da autoria do arquiteto Rui Cavaleiro, do atelier Branco Cavaleiro Architects, responsável pela requalificação realizada no parque da cidade, como o centro de remo e Centro de Monitorização e Interpretação Ambiental (CMIA).

A praça foi construída em 1948 e teve uma intensa atividade inicial mas, nos últimos anos, ficou reduzida a apenas um espetáculo anual, por altura da Romaria da Senhora d’Agonia, o que aconteceu pela última vez em agosto de 2008. Está encerrada desde 2009, quando Viana do Castelo se declarou cidade antitouradas.

Chegaram a ser avançadas várias hipóteses para aquele imóvel, como um centro de Ciência Viva, um Centro de Mar – entretanto instalado a bordo do antigo navio hospital Gil Eannes – e um espaço de restauração e atividades náuticas. Até hoje não foi dada qualquer utilização pública ao equipamento que se encontra “bastante degradado”.

Para o exterior do edifício, situado no parque da cidade, é proposta a criação de estruturas que permitam a prática desportiva ao ar livre.

Galeria
noticias RELACIONADOS
PUBLICIDADE

Subscrever Newsletter

Já subscreveu a nossa newsletter?