A Casa Quebrada

A Casa Quebrada | NPS Arquitetos         

Terá sido porventura algumas horas depois de ter ecoado na telefonia a “Grândola Vila Morena” de Zeca Afonso, 2ª canção ‘senha’1 de uma revolução que iria libertar Portugal de um regime ditatorial, no dia 25 de Abril de 1974, que um percurso que tinha sido iniciado uns meses antes, foi abruptamente interrompido. A obra terá sido abandonada nesse mesmo dia, tendo se tornado uma espécie de ruína contemporânea de um edifício de habitação perfeitamente anónimo.

42 anos depois o processo seria retomado, no momento em que foi iniciado o trajeto para tornar esta peculiar parcela de terreno numa Casa – Atelier.

O terreno, de configuração excêntrica, contido numa malha urbana irregular, por vezes precária e industrial, mas consolidada, e profícuo em dobras e quebras, tem a particularidade de ser muito exíguo na área central, alargando ligeiramente de forma desigual, quer para norte, quer para sul. O resultado do seu abandono foi a existência de uma estrutura em betão armado (vigas-pilares), bastante generosa, quase excessiva.

A proposta, que tentou preservar ao máximo a estrutura existente, surge do diálogo/debate entre essa estrutura e a nova. A escada, colocada no local com menor dimensão do terreno, e, por isso, localizada numa posição de centralidade, surge como o novo elemento estrutural que concilia em si a estabilização do conjunto.

Toda a estrutura secundária é em vigamentos de madeira, reduzindo ao máximo a carga sobre a estrutura existente. As deformações planimétricas do terreno, acabam por se repercutir na secção, desdobrando os dois níveis que perfazem a cércea do edifício para a via pública (norte) em três sub-níveis para o interior do logradouro (sul). Apesar da irregularidade geométrica, procurou-se estabelecer uma permeabilidade entre as suas partes, que, mais do que a função que integram, procuram ser espaços versáteis com especificidades espaciais e luminosos, capazes de albergar múltiplas utilizações, quer sejam de trabalho, lazer, repouso ou contemplação.

A casa abriga-se do exterior, ora encerrando-se através de duas grandes empenas cegas e recortadas (nascente e poente), ora encerrando-se para a via pública (norte) através de uma fachada pontuada por um postigo e um pátio com luz zenital, para, logo a seguir, se relacionar de forma mais generosa com o interior do logradouro (sul). O edifício surge como uma unidade compacta, um refúgio com relações recorrentes entre espaços interiores e exteriores, mas sempre íntimos. A luz natural, de forma vibrante, ora desvenda e anima, ora recorta e omite a ‘doce desordem’2 da composição espacial.

A quase inexistência de acabamentos, acaba por exponenciar uma tensão entre a crueza das superfícies e o adorno provocado pelas juntas dos materiais, como o betão, o bloco de betão, o marmorite e os painéis, quer de madeira natural, quer de derivados de madeira.

 

*
(1) ‘Canção Senha’. Canção que terá servido como código para o início das operações militares que iriam desencadear a revolução do dia 25 de Abril de 1974 . A primeira senha, ‘E Depois do Adeus’ de Paulo de Carvalho, havia tocado na rádio algumas horas antes;

(2) Sweet Disorder and the Carefully Careless, Robert Maxwell, 1997

 

TAGS
LINKS
FICHA TÉCNICA

Projeto
A Casa Quebrada

Localização
Pereiró, Porto, Portugal

Arquitetura
NPS Arquitetos Associados

Arquitetos Responsáveis
Rui Neto, Sérgio Silva

Colaboração
Francisco Corte, Mariana Santos

Especialidades
Tisem Engenharia, Lda

Construção
ACA Sociedade de Construções, Lda

Infraestruturas
Brisco, Instalações e Serviços, Lda

Carpintaria
José Reis e Filhos, Carpintaria e Mobiliário

Serralharia
Metaldri, Construções Metálicas, Lda

Fotografias
Cunha Pimentel

Área
170m2

Ano
2020

Galeria
projetos RELACIONADOS
PUBLICIDADE

Registe a sua Empresa

Crie a sua conta gratuitamente e promova os produtos da sua empresa.