Casa da Deolinda Santos

A 17 de Junho de 2017 um grande incêndio deflagrou em Pedrógão Grande e espalhou-se pela floresta até Figueiró dos Vinhos, Castanheira de Pêra, Sertã, Penela, Góis e Pampilhosa da Serra, afectando cerca de 500 casas (259 das quais eram primeiras habitações). 64 pessoas morreram ao tentar escapar dos incêndios.
Depois da tragédia, cidadãos e instituições fizeram donativos para ajudar à reconstrução das casas e vidas afectadas pelos incêndios.
A Fundação Calouste Gulbenkian, responsável por um dos maiores fundos, contratou a Cooperativa Trabalhar com os 99% crl., para providenciar assistência técnica no processo de reconstrução, no qual o ateliermob fez projecto para as sete casas.
Mais do que a simples reconstrução das casas perdidas, o objectivo principal foi o de melhorar as condições de vida destas comunidades, com uma atenção particular para o facto de, na sua maioria, se tratar de população envelhecida.

Casa da Deolinda Santos

O contexto e condições específicas dos elementos construtivos que resistiram ao incêndio imposssibilitaram, neste caso, o aproveitamento das paredes em alvenaria de pedra e levaram à reconstrução integral da habitação. limitada pelo perímetro do lote em que se insere.
Da conjugação do programa pretendido com base na pré-existência e os critérios estabelecidos para a generalidade da obras de reconstrução, resultou esta habitação que se desenvolve integralmente no piso térreo, com possibilidade de aproveitamento do sótão.
Ao volume total, subtraíram-se duas partes para criar um alpendre coberto a Sul e um pátio a Norte. O primeiro espaço é uma entrada secundária e zona de estacionamento; o segundo, onde se encontra a zona de churrasqueira, é aberto para o terreno adjacente.
TAGS
LINKS
FICHA TÉCNICA

Projeto
Casa da Deolinda Santos

Cliente
Deolinda Santos

Localização
Pedrogão Grande, Portugal

Arquitetura
ateliermob

Equipe de Projeto
Tiago Mota Saraiva, Andreia Salavessa, Paula Miranda, Marta Vieira, Cristina Romão, Mariana Robalo, Diana Amaral, Adriana Gil, Carolina Batlle Y Font, Ana Rita Nunes, Raquel Coronel, Rita Rodrigues, Ana Catarino

Engenharia
Estruturas: BETAR – Eng.º José Pedro Ferreira Venâncio;
Electricidade: EACE – Eng.º João Caramelo;
Hidráulicas: BETAR – Eng.ª Andreia Cardoso;
Telecomunicações: EACE – Eng.º João Caramelo

Antropologia
Ana Catarino

Construtora
Concretequação

 Créditos fotográficos
Fernando Guerra | FG + SG Fotografia de Arquitectura

Área bruta construída
235,64m2

Ano de conclusão
2018

FOTOGRAFADO POR
Galeria
projetos RELACIONADOS
PUBLICIDADE

Goma by Flowco

Azulejos ecológicos fabricados em Portugal