Casa em Valadares

A Casa em Valadares, de quatro frentes, pretende estabelecer uma clara relação de integração volumétrica com a envolvente, mas sobretudo com o perfil do terreno e, acompanhando a sua pendente (mais acentuada do que parece) vai conformando os espaços exteriores que se desenvolvem a diferentes cotas e configuram modos de utilização distintos. Estes, são planeados de modo a que haja uma ligação fluída e contínua entre eles e a construção, sendo sempre acessíveis por rampas, ao mesmo tempo que se diferenciam pelo seu carácter e função no contexto da leitura da casa.

Dada a generosa área da parcela de terreno e a vontade de articulação de cotas, desenhou-se ao nível da rua um primeiro pátio de recepção – como um adro – que combina a sua vocação maioritariamente lúdica com a de estacionamento para visitas em dias de festa ou pontual, rápido. Terá um pavimento drenante, mas que permita aos mais novos, andar de triciclo, bicicleta ou até jogar futebol ou outros jogos infantis e permitirá manter a vegetação ali existente.

Desde este pátio poderá aceder-se directamente à garagem e desta ao interior da casa sem depender das condições climatéricas ou, ainda de automóvel, através de uma suave rampa, ao pátio que define a entrada principal da habitação. Esta rampa possibilita ainda o acesso pedonal a todos os diferentes espaços exteriores que envolvem a construção, em alternativa, deste primeiro “adro” pode ainda aceder-se por escada ao jardim da casa que se prolonga no exterior da zona social – sala de jantar, estar e cozinha, com vista para o mar.

A construção, apesar de aparentar um corpo único de grande unidade formal, pretende distinguir claramente as zonas privadas – quartos da família – das zonas comuns – salas e cozinha; distinção esta protagonizada por um pátio central que, como se disse, define a entrada principal da casa. Este tem uma área suficientemente generosa para receber um automóvel, permitindo cargas e descargas, quer de compras, quer de crianças e/ou carrinhos de bebé ou de pessoas com mobilidade mais limitada.

A implantação, aproveitando os desníveis do terreno, permite ainda que existam:

– À cota intermédia, uma a zona de hall de entrada com relação directa para o exterior. Este hall permite de forma muito autónoma o acesso à zona privada, e da mesma forma à cozinha, garagem e salas, assim como à zona de lavandaria e um quarto de banho social, sem qualquer devassa destes espaços dado o seu desenho e centralidade na casa.

– Voltados a poente, abrindo-se a uma cota inferior, localizam-se as salas e a cozinha, que têm vista para o mar. Neste contexto, define-se uma zona de estar de maior pé-direito em oposição a outra de pé-direito mais baixo, mais íntima, mas visualmente relacionadas com um mezzanino e zona de estar à cota superior, que seguramente proporcionará melhores panorâmicas sobre o mar, protagonizada por um varandim cuja continuidade permite aceder ao escritório dos proprietários, também mais elevado e recatado.

– A zona dos quartos, que se localiza de nível com a cota superior do lote, acompanhando a inclinação do terreno, permite também que seja possível aceder ao exterior também através dos quartos. Esta zona é composta por três quartos e uma suite, todos voltados a nascente, mas com acessos também naturalmente iluminados e ventilados pelo pátio de entrada.

TAGS
LINKS
FICHA TÉCNICA

Projeto

Casa em Valadares 🔗

Localização
Vila Nova de Gaia, Portugal

Arquitetura
Correia/Ragazzi Arquitectos 🔗

Arquitetos Responsáveis

Graça Correia, Roberto Ragazzi

Colaboradores
Inês Ruas, Giulia Teodori, Chiara Iaia

Fundações e Estruturas
AB Projectos – Eng.s Ana Vale e Miguel Vale

Instalações Hidráulicas
AB Projectos – Eng.s Ana Vale e Miguel Vale

Instalações Técnicas Especiais
GET – Eng.º Raúl Bessa

Instalações Elétricas
Afaconsult – Eng.ª Maria da Luz Santiago

Construtora
Baltor – Engenharia e Construção

Fotografias
José Campos 🔗

Área
687 m²

Ano
2021

FOTOGRAFADO POR
Galeria
projetos RELACIONADOS
PUBLICIDADE

World Architecture Festival 2022

Take a ticket here »