Casa J

Este projeto resulta da intenção de reabilitar uma moradia unifamiliar, severamente afetada, ao nível dos interiores, por patologias resultantes de más opções construtivas.

Para além de se pretender corrigir as patologias existentes nesta moradia pretende- se, também, retificar as disfunções de organização espacial que apresenta. Deste modo, a ambição do projeto é reabilitar a moradia para lhe conferir novas condições de habitabilidade, garantindo que a mesma se torna mais versátil e com melhores acabamentos.

O terreno onde se insere admite duas zonas distintas: uma urbana, confrontada com o arruamento principal e onde se encontra implantada a moradia, e a restante zona rural, de uso florestal, onde se prevê a implantação de um novo espaço desportivo e de lazer, com campo de padel e zona ajardinada.

Este novo espaço, vem na continuidade do aumento previsto para o anexo, que agora se fecha em vidro, para se transformar em lounge de eventos, disponível para convívio entre amigos e família.

Na fachada do anexo, propõe-se construir uma estrutura metálica em pérgula, que se liga à moradia, fazendo o desenho da implantação do conjunto edificado alterar-se para uma forma de J, dando nome ao projeto.
Esta pérgula irá criar a devida proteção ao anexo, permitindo que o seu uso seja prolongado para o exterior.

O uso de estruturas metálicas replica-se conjuntamente para um plano vertical, que se propõe para a lateral da piscina, de forma a criar uma barreira com a vegetação que ali cresce e, assim, proteger a zona da piscina das vistas indiscretas dos vizinhos. Estas são as únicas alterações previstas ao nível exterior, já que todo o restante não será intervencionado, por respeito ao conjunto projetado por outro colega e, sobretudo, por estar em bom estado de conservação. Assim, as intervenções mais significativas residem nos interiores.

Destas, destaca-se a redução do número de quartos, de 4 para 3, onde todos passam a ser suites. As duas novas suites são compostas por uma zona de roupeiro que transita para a instalação sanitária de forma natural e contígua, através de uma parede em vidro, que unifica os dois espaços. A suite principal sofre uma ampliação do vestiário e da instalação sanitária, adquirindo uma nova zona de jacuzzi e um pátio exterior privado, que irá garantir a adequada ventilação e iluminação daquele espaço sem, com isso, perder a privacidade que se deseja para o mesmo.

Por último, mas não menos importante, propõe-se unificar a sala e a cozinha, derrubando a parede de betão que as separa, de modo a tornarem-se num só, um “open-space” capaz de reunir a família, muitas vezes separada por esta condicionante física.

Aqui pretende-se, ainda, abrir um vão na fachada norte, garantindo um novo ponto de entrada desde o logradouro, já que, até ao momento, esta entrada se fazia pela cozinha.
Ainda assim, todas estas alterações não serão suficientes para a reabilitação pretendida sem antes corrigir as patologias construtivas existentes, sobretudo ao nível de infiltrações de água. Esta questão irá obrigar à criação de um sistema de filtragem de águas pluviais, criando drenos no perímetro da moradia, sobretudo nas zonas que se constata a presença de maior quantidade de água. Será, também, garantida a devida impermeabilização de pisos e paredes, por forma a poder evitar as capilaridades constatadas.

Posteriormente a todo o tratamento anti infiltrações, todos os materiais de acabamento são substituídos ou intervencionados com o objetivo de renovar por completo esta vivenda, como se de uma nova se tratasse.

LINKS
FICHA TÉCNICA

Projeto
Casa J

Localização
Albergaria-a-Velha, Portugal

Cliente
Privado

Arquitetura
FRARI – architecture network

Autor do Projeto
Arquitecta Maria Fradinho

Data de Construção
2019

Área do Terreno
10300 m2

Área Bruta de Construção
735 m2

Autor do Projeto Original
Arquitecta Fátima Martins

Créditos de Fotografia
Ivo Tavares Studio

FOTOGRAFADO POR
PDFS
Galeria
projetos RELACIONADOS
PUBLICIDADE

Isopan

Apresentamos a Esquadria Perfeita

Workshop . Lisboa

Como Vender o Que Não Se Vê