Casa-Páteo Lisboeta

O apartamento desenvolve-se no piso térreo de um pequeno edifício de 2 pisos, propriedade total de uma única família que na sua 2ª geração está a comercializar todas as suas fracções. A casa era um amontoado de acabamentos desconexos, pavimentos degradados, odor desagradável ainda coroado com pouca luz, faziam o ambiente pesado idêntico a um sítio tristonho, quase lúgubre. Foi durante anos habitação permanente e recentemente sujeita a alugueres, tendo o senhorio efectuado pequenas remodelações apenas com o intuito de tentar melhorar as condições aos arrendatários.

 

As áreas e divisões são as correntes em habitações das décadas de 50 e 60 nesta zona de Lisboa, no entanto a sala e a cozinha estavam praticamente fechadas e desligadas do principal elemento desaproveitado: Um pátio em toda a largura da casa que foi sempre pouco utilizado apesar da sua generosa área. Devido às preocupações estruturais com o edifício, foram propostas pequenas demolições pontuais, não alterando o layout / disposição original da casa mas optimizando apenas as suas potencialidades naturais. Efectuou-se uma remodelação profunda e responsável, restringindo as intervenções ao indispensável e obrigatório para….

 

….Recuperar a personalidade da construção, a mais importante missão da obra. Depois de várias intervenções anteriores, ela carecia de uma mudança derradeira que unificasse a sua linguagem. “Ao repensar o projecto, identificámos o pátio desperdiçado nas traseiras. Alocar utilidade a essa área, devolveu-se a vocação social ao espaço”. Entre outras alterações visando a funcionalidade, foi pensada no centro da casa uma área para tratamento de roupas, beneficiando por ser acessível a qualquer estendal que seja colocado no pátio (orientação sul-poente), mas também por evitar o manuseamento pouco recomendável de roupas na zona social da cozinha.

 

Não havia apenas que adaptar a casa às necessidades actuais ou rever as potencialidades do espaço exterior, havia que reajustar as suas rotinas diárias. O existente deu lugar a uma casa agradável e autêntica. Para descansar e dormir, nela mantiveram-se os quartos localizados na área que garante mais frescura no verão e com a melhor proximidade da casa-de-banho principal. Para convívio e refeições reformulou-se totalmente a disposição da cozinha em articulação com a sala, estando agora este conjunto aberto ao exterior para todo aquele pátio, formando um enquadramento especial.

 

A cor branca dos interiores faz a casa revigorar-se para esta nova etapa, enquanto os pavimentos cerâmicos cinza conferem um acabamento distinto de fácil limpeza que garante uma utilização continuada, resistente ao desgaste e apropriada aos vários espaços pela sua baixa porosidade e superfícies anti-deslizantes. Fez-se que o edifício com história não fosse comprometido pela introdução neste cenário, da aparência moderna desta remodelação. Sem adulterar uma casa antiga, optou-se valorizar o existente ao mantê-la viva e actual: “Finalmente a luz natural e ar renovado invadem o interior afirmando a nova história desta casa!”

TAGS
LINKS
FICHA TÉCNICA

 

Projecto
Casa-Páteo Lisboeta

 

Localização
Pontinha, Lisboa

 

Concepção e Reabilitação
Casasrenovatio

 

Data de Projecto/ Conclusão
2016/ 2017

 

Fotografia
Casasrenovatio

PDFS
Galeria
projetos RELACIONADOS
PUBLICIDADE

Tectum First

Sistema Técnico para Telhados Tectum®-First

Vulcano

O parceiro certo para um apoio total