Casas Mortuárias em Alhandra

Categorias: CulturaReligiosos

No ponto mais notável do percurso entre Lisboa e Vila Franca de Xira, ergue-se o promontório de Alhandra, sacralizado pela Igreja e cemitério. Este lugar, em terraço sobre um rio Tejo que aqui ganha nova escala, domina todo o território circundante, tornando-se referência.

Em frente á Igreja existe uma praça de configuração irregular e importante para a organização de toda a zona circundante. Este largo é referenciado em inúmeros documentos que dão a conhecer a sua ocupação ancestral e é protagonista da memória colectiva dos habitantes.

As casas mortuárias, no seu desenho e implantação, procuram o redirecionamento da praça alterando os limites do largo e reforçando a simetria do conjunto, reorientando-o ao rio, tornando o conjunto intencional e cerimonial.

Do jogo da morte lembramo-nos dos apertados percursos entre jazigos, da sua matéria perene e volumétrica. Lembramo-nos do seu carácter definitivo. As pedreiras, na sua essência, servem aqui de mote, podendo-se imaginar as casas mortuárias como um enorme bloco sulcado pelo canais que organizam a extração, revelando nas suas superfícies as cicatrizes e os golpes resultantes do imaginado corte, desenhando quebras e dobras que albergam a iluminação, formam bancos e permitem a entrada da luz.

Este processo permite criar os percursos onde se desenrola o ritual da despedida, percursos integralmente revestidos com placas mármore de dimensões incomuns que formalizam o ato, pela escala, luz e pela reverberação dos passos que soam à passagem. Este som vai, depois, ser temperado nos vestíbulos e, de novo, ampliado nas capelas pelo asoalho, pela escala ampliada e acentuada pelos rasgos por onde a luz entra, dramaticamente, sublinhando a solenidade do momento. Aproveita-se o desenho do portão ao lado, no cemitério, para garantir a segurança e fazer a ponte.

 

Prémios
Secil Arquitectura 2010 Award – Finalista
Public Tender – 1º Lugar

TAGS
LINKS
FICHA TÉCNICA

Projeto
Casas Mortuárias em Alhandra

Arquitetura
Matos Gameiro Arquitectos

Coordenação
Pedro Matos Gameiro

Colaboração
Carlos Crespo
Gonçalo Pinheiro
João Maria Trindade
José Maria Cumbre

Estruturas
João Paulo Cardoso – PRPC, engenheiros

Hidráulica

Pedro Romano – PRPC, engenheiros

Electricidade
António Trindade – ATSE, serviços de engenharia

Ano
2005-2008

Maquete
Matos Gameiro Arquitectos

Fotografias
Fernando Guerra | FG+SG
Carlos Crespo (b&w)

FOTOGRAFADO POR
Galeria
projetos RELACIONADOS
PUBLICIDADE

Goma by Flowco

Azulejos ecológicos fabricados em Portugal