Embaixada do Egipto

Categorias: CulturaDesign

A nova Embaixada da República Árabe do Egipto localiza-se no Bairro do Restelo em Lisboa, num lote na Avenida Dom Vasco da Gama, tipologicamente caracterizada por uma série de moradias dos anos 40 e 50, muitas das quais foram gradualmente convertidas em espaços de representação diplomática.

 

O edifício de embaixada é aquele que por excelência incorpora a noção de identidade nacional.  É tanto um porto de abrigo e um refúgio seguro dos seus concidadãos, como é a representação externa do Estado ao mais alto nível.  Deve combinar a ideia de acolhimento e segurança, com os valores simbólicos da história do país e da sua cultura.  Neste caso, a compacidade do volume resultante das restrições regulatórias do lote serviu como metáfora do projecto, evocando a tradição fundadora do Egipto em toda a sua emanação estereotómica; a qual por sua vez enfatiza uma certa ideia de solenidade, um elemento essencial do protocolo da embaixada.

 

 

Neste contexto, o edifício funciona como um monólito composto por três lajes expressivas em betão aparente intercalado por uma massa de baixos-relevos discretamente evocativa dos padrões geométricos da antiguidade egípcia.  Seguindo o princípio clássico da trave e intercolúnio, estas paredes são interrompidas em posições específicas para a abertura de vãos.  No andar superior, os cunhais recuam formando varandas rectangulares numa sequência
de rotações orientadas de esquina para esquina.  A cor antracite do pigmento nos painéis de betão GRC realça a monumental gravitas do conjunto que
simultaneamente contrasta com a leveza dos caixilhos, em aço galvanizado metalizados à cor bronze.

 

 

A clareza dos circuitos públicos e privados, assim como a total visibilidade e controle no acesso dos visitantes, foi um dado essencial no desenvolvimento do conceito e da própria implantação do edifício.  Posicionado ao centro do lote e rodeado por um estreito jardim, na tradição Lisboeta dos palacetes do séc. XIX, o acesso automóvel é feito a partir da Avenida Dom Vasco da Gama, através de uma rampa suave.  No lado oposto, uma ortaria de segurança vigia e filtra o acesso público respectivamente, à embaixada e ao consulado.

 

 

No interior, a escolha de materiais nobres e simples reflectiu a preocupação de garantir um envelhecimento digno, além da reduzida manutenção.  Nesse sentido, as áreas públicas são em grandes lajes de mármore branco com lambris e apainelados em madeira maciça lacada.  Por último, a uma monumental escadaria liga os três pisos numa logica teatral que se sugere quase como um cenário Wagneriano, sendo revestida a prumos de madeira maciça que migram dos degraus e das guardas para as paredes, formando um único painel envolvente.  Este núcleo central é por sua vez coroado por uma claraboia em caixotão, cuja luz é filtrada por um tecto suspenso em padrões islâmicos de onde emana uma luz caleidoscópica que recorta diferentes jogos de sombras ao longo do dia.

 

 

 

TAGS
LINKS
FICHA TÉCNICA

Localização
Avenida Dom Vasco da Gama, Lisboa, Portugal

Cliente
EBFA (Egyptian Building Fund Authority)

Projecto Arquitectura e paisagismo
Programa Embaixada e serviços consulares

Área do Terreno

1,359 m2

Área Bruta de Construção

1,510 m2

Data

2010 (Concurso por convite, 1º lugar)

2017 (conclusão da obra)

 

Fotografia

João Morgado

FOTOGRAFADO POR
PDFS
Galeria
projetos RELACIONADOS
PUBLICIDADE

Subscrever Newsletter

Já subscreveu a nossa newsletter?  

3DHR Multimédia

Desenvolvemos projetos em 3D para arquitetura e design interiores