Escola Secundária D. Dinis

Categorias: Escolas

O projecto de modernização da escola secundária D. Dinis teve a particularidade de ser pioneiro no âmbito das reformas em curso levadas a cabo pelo Parque Escolar, e simultaneamente corresponder a uma tipologia que abrange cerca de 70% das escolas secundárias em Portugal – a Pavilhonar.

Os projectos pavilhonares, maioritariamente construídos durante a década de 70, foram projectos elementares, seja do ponto de vista programático e funcional, seja do ponto de vista construtivo, onde a ausência de isolamentos térmicos ou acústicos, de infra-estruturas de climatização e outras revelavam a um só tempo a escassez dos empreendimentos.

A reforma de modernização assentou em primeiro lugar numa melhoria programática acrescentando e recolocando espaços funcionais (como é o caso da biblioteca, sala polivalente, áreas de estudo livre para alunos e professores, espaços departamentais, etc.) numa localização epicentral face às construções existentes para que toda a actividade escolar gravite em seu redor. Por outro lado melhorar as condições arquitectónicas, construtivas e respectivas infra-estruturas nas edificações existentes. Por fim, oferecer à escola condições que permitam uma melhor gestão e exploração dos seus próprios recursos.
O edifício novo, que diferencia a escola secundária D.Dinis, é uma espécie de espaço central, sem principio nem fim, onde se instalam as funções vitais da nova escola, e a partir do qual se coligam todos os pavilhões existentes. Aquilo a que nos primeiros debates, que antecederam o projecto de modernização, sempre foi apelidado de “learnig street”. O sistema construtivo deste novo edifício não foi indiferente ao facto de toda a construção ter sido realizada em apenas seis meses, tendo-se optado por uma tipologia de obra limpa, estrutura metálica e paredes exteriores em sistema de “sandwish”, acabada a chapa ondulada quer no exterior quer no interior.
A cobertura é também em chapa metálica, sobre a qual se apoiam os respectivos isolamentos térmicos e acústicos. Contrastando com a cor branca da parede periférica, o pavimento contínuo é vermelho, elemento que se estende às construções existentes, e que de certa forma unifica o conjunto.
TAGS
LINKS
FICHA TÉCNICA

Localização

Chelas, Lisboa

 

Projecto

2007-2008

 

Dono da Obra

Parque Escolar EPE

 

Arquitectura
Coordenação

Ricardo Bak Gordon

 

Arquitectura
Colaboração

Luís Pedro Pinto, Pedro Serrazina, Sónia Silva, Vera Higino, Walter Perdigão

 

Especialidades

Fundações | Estruturas | Instalações Hidraúlicas

BETAR

 

Instalações Eléctricas | ITED | AVAC | Física | Acústica

LMSA

 

Paisagismo

PROAP

 

Empreitada

Mota-Engil

 

Área do Lote

25.730 m2

 

Área Bruta de Construção

1.500 m2

 

Créditos Fotográficos

Fernando Guerra

Galeria
projetos RELACIONADOS
PUBLICIDADE

Subscrever Newsletter

Já subscreveu a nossa newsletter?  

Registe a sua Empresa

Crie a sua conta gratuitamente e promova os produtos da sua empresa.