GS1 Portugal

GS1 Portugal é a uma associação nacional sem fins lucrativos, representante do organismo global responsável pela implementação do sistema de standards mais utilizado no mundo para identificação, captura e partilha, sendo o standard mais conhecido o código de barras.

A obra da sua nova sede resulta de um concurso de arquitectura realizado em 2014, cujo 1º lugar foi atribuído ao atelier de arquitectura PROMONTORIO, em colaboração com o artista plástico Alexandre Farto aka VHILS. O edifício está localizado no Campus do Lumiar do IAPMEI (Agência para a Competitividade e Inovação), em Lisboa. Este polo tecnológico, que é um dos primeiros especificamente criados para a inovação empresarial, está implantado nos terrenos circundantes de uma antiga quinta, nos limites da cidade e foi planeado no início dos anos 70 com base numa malha ortogonal de inspiração no modelo universitário anglo-saxónico.

O novo edifício parte da adaptação e remodelação de uma estrutura de betão existente, entretanto física e tecnologicamente obsoleta. O edifício, designado K3, teve assim como ponto de partida a pré-existência de um volume rectangular com dois pisos, numa malha estrutural de pilares e lajes de betão, estas últimas fungiformes, também vulgarmente referidas como “lajes de cocos”. Em termos de programa, o edifício tem 3 áreas distintas a que correspondem também os diferentes pisos. O piso térreo integra o Centro de Inovação e Competitividade, um espaço que pretende demonstrar a utilização dos Standards GS1 ao longo de toda a cadeia de valor, através de módulos expositivos, interativos, aberto à esfera pública; inclui ainda um auditório polivalente e áreas técnicas. O segundo piso agrega a direcção e a equipa da GS1 Portugal dispostos de forma fluída e informal em open space, ficando apenas confinados em ilhas opacas as salas de reunião, economato, IS, etc. Finalmente, no piso da cobertura localiza-se a zona social com bar/cafetaria que se abre para uma área de terraço. Interiormente, o edifício é unificado por dois grandes vazios circulares recortados nas lajes existentes e que permitem ampliar visualmente a experiência do espaço.

Em termos de acabamentos, o interior ilustra intencionalmente a ideia de intervenção numa pré-existência. A simplicidade tectónica dos elementos de betão à vista da estrutura existente, bem como a ausência de tecto falso -deixando por isso exposto todo o sistema de eletricidade e ventilação-, contrasta com o conforto dos materiais e acabamentos na relação táctil do utilizador, como a madeira, a cortiça, os tecidos e as alcatifas.

O sistema da fachada em ziguezague, alternando entre painéis de betão e caixilharias de vidro, de orientação norte-sul, reordena a relação de vistas do edifício com o campus, simultaneamente protegendo os espaços de trabalho da incidência solar excessiva e criando uma relação de transparência privilegiada com o jardim.

No exterior, parte dos painéis de betão pré-fabricado foi objecto de uma intervenção em baixo-relevo de VHILS, e que resulta de uma longa colaboração do artista com os arquitectos noutros trabalhos, além de uma investigação conjunta sobre a própria base tecnológica de moldagem em grande escala. O seu trabalho, e esta intervenção em particular, propõe uma reflexão crítica contemporânea sobre o caos da informação e do ruído visual, questionando o seu papel, ao qual se contrapõe a presença de um olhar humano.

TAGS
LINKS
FICHA TÉCNICA

Projeto
GS1 Portugal

Localização
IAPMEI Campus do Lumiar, Lisboa, Portugal

Cliente
GS1 Portugal

Arquitetura
PROMONTORIO

Projeto de Arte
Alexandre Farto aka VHILS

Fabricantes
Saint-Gobain, Lindo Serviço, Modulyss, Otis, Tecniclima, Mota Engil

Fotografias
Fernando Guerra | FG+SG

Área
1750.0 m²

Ano
2016 – 2014

Galeria
projetos RELACIONADOS
PUBLICIDADE