Igreja Ancestral de Fraião

A intervenção arquitetónica na Igreja Ancestral de Fraião, em Braga, Portugal, é uma intervenção de análise e decisão.

Uma análise sobre o estado de degradação das intervenções mais recentes, efetuadas no início do sec. XX, com revestimentos e ampliações efetuadas com argamassas de cimento pintadas, quer no exterior, quer no interior, impulsionou a uma decisão de descoberta da sua base com a remoção dos revestimentos deteriorados.

A escassa informação sobre a construção inicial impulsiona ainda mais a vontade de descobrir a sua essência e as intervenções que lhe sucederam.

A planta apresenta-nos uma simples organização espacial em dois retângulos de dimensões ligeiramente diferentes – nave e capela-mor – com uma passagem entre eles que se veio a revelar de arcada com a remoção das argamassas.

Esta organização simples revela-se também na sua volumetria onde se sobrepõe a da nave à da capela-mor, embora esta última revelou um ligeiro aumento em alvenaria de tijolo.

A torre sineira, à esquerda da entrada axial da nave, é uma construção de estrutura e revestimentos cimentícios, do início do Séc. XX, onde não se revelou qualquer pré-existência que lhe tenha antecedido.

A intervenção a propor teria, agora, de seguir um princípio de intervenção contemporâneo, que revelasse um pouco da sua dimensão temporal e enquadrasse não só as novas necessidades térmicas e de acessibilidades no exterior, as acústicas e de iluminação no interior, bem como as de recuperação do coro e dos retábulos da capela-mor e lateral a par da instalação de novos painéis cerâmicos e vitrais.

Subtraíram-se as camadas de rebocos e cimentos da fachada que se acumularam ao longo dos tempos, trazendo a pedra à superfície como um ato solene do “início” da obra.

Ao mesmo tempo, este regresso ao ponto de partida, e que lhe restituiu a expressão original, abriu caminho para uma intervenção mais contemporânea nos elementos não passíveis de serem alterados, como é o caso da torre sineira.

Se por um lado se constitui o conceito de subtração nas fachadas, propõe-se agora para esta torre e para o volume do alçado a nascente/sul, a agregação de uma pele em aço patinável – aço corten – cujas propriedades trarão para esta construção a permissão que outras camadas, agora na forma de uma camada de ferrugem como proteção ao material, se apropriem novamente da construção, conferindo-lhe visualmente características de amadurecimento pelo tempo.

A decisão para a Igreja de Santiago traça um percurso entre a subtração e a agregação de elementos diferenciados, cuja simbiose formal resulta na importância e ação dos materiais no tempo do edifício.

TAGS
LINKS
FICHA TÉCNICA

Projeto
Igreja Ancestral de Fraião 🔗

 

Localização
Braga, Portugal

 

Arquitetura
Nuno Capa | Arquitecto 🔗

 

Arquiteto responsável
Nuno Ferreira Capa

 

Fotografias
Attilio Fiumarella 🔗

 

Área

100m²

 

Ano
2021

Galeria
projetos RELACIONADOS
PUBLICIDADE

Registe a sua Empresa

Crie a sua conta gratuitamente e promova os produtos da sua empresa.