Laboratório São Mamede

Categorias: Escritórios

Parte da história da reconstrução de Lisboa pós-terramoto está impressa nas fundações dos edifícios Pombalinos que redesenharam em justaposição uma nova cidade. Os seus alicerces são robustos e estruturam a base dos edifícios que se erguem até atingirem a altura que se abre ao rio.

O novo atelier da dupla de arquitectos italianos Leonardo Paiella e Monica Ravazzolo é um testemunho da solidez destas fundações, traduzidas na clareza espacial e construtiva de uma arquitectura de herança clássica, com qualidades incontornáveis.

Algures no coração da cidade histórica, contido entre espessas paredes de pedra, encontramos um espaço surpresa, agora também parte integrante de uma rede de lugares criativos da cidade. A história dos ateliers de arquitectura é um pouco assim, entranham-se lentamente no interior da cidade, tornando-se parte dela e favorecendo a sua gradual redescoberta.

As características excepcionais deste novo espaço facilita-nos a compreensão das suas possibilidades de transformação e apropriação. O espaço rectangular de cerca de 100 m2 e 6 metros de altura, é pontuado por dois pilares centrais que lançam arcos entre si e na direcção das paredes, imprimindo ao espaço ordem, equilíbrio e leveza, elevando-o à imagem de um espaço salão.

Uma porta e dois vãos, ligam o espaço ao exterior enquadrando-o no tempo e na geografia da cidade de Lisboa. Pouco ou quase nada mais haverá a fazer.

É este quase nada que interessa aqui focar, o essencial para elevar um espaço, originalmente destinado a armazém, à categoria de espaço habitável, pronto para receber a escala do corpo e dar vida a um espaço de criação, onde se desenrolam todas as acções do acto de projectar. O Paratelier encontra neste espaço o lugar ideal para dar expressão a uma ideia de atelier de arquitectura como plataforma criativa que procura tresvasar o seu próprio campo disciplinar. De facto, a partir daqui, organizar um espaço de trabalho torna-se numa tarefa aparentemente mais fácil e familiar, como se bastasse pensar as relações entre o lugar onde se cria, se vive e se trabalha, e ocupar.

O projecto parte do desenho e construção de um sistema simplificado de peças de madeira articuladas entre si numa estrutura modular, que desenha todo o perímetro do espaço, funcionando como um importante dispositivo de ligação entre as paredes brancas e o pavimento de pedra. Este novo dispositivo espacial, vai suportando e acumulando a espessura dos movimentos do trabalho, imprimindo diariamente a história indecifrável das acções do quotidiano do atelier. Livros, dossiers, maquetas, materiais, objectos, desenhos, ensaios, vão habitando esta espessura e as mesas estabilizam os vários locais de trabalho.

Entre a abstracção minimalista marcada pelo rigor de um sistema de montagem previamente calibrado e o sentido pragmático da organização de um espaço de trabalho, a intervenção traz-nos sobretudo a dimensão do habitar, acrescentando escala, conforto, funcionalidade e polivalência ao quotidiano do atelier, como um gesto de humanização do espaço, acabando por revelar uma das mais elementares funções da arquitectura.

TAGS
LINKS
FICHA TÉCNICA
Projeto
Laboratório São Mamede

 

Localização
Lisboa, Portugal

 

Cliente

P. Teixeira e J. Teixeira

 

Arquitetura
Paratelier (Monica Ravazzolo – Leonardo Paiella)

 

Arquiteto
Leonardo Paiella

 

Colaborador
Hugo Amaro

 

 

Consultores

 

 

Aquecimento . Ventilação . Avac
José Rosendo

 

Construtor
Gaspar

 

Ano do Projecto
2011

 

Ano de Construção
2011

 

Área
113 m2

 

Materiais
mobiliário em contraplacado marítimo

chapa metálica (i.s.)

 

VIROC (mistura prensada de partículas de madeira e cimento)

 

 

Autoria do texto

Pedro Pacheco

 

Fotografias
Leonardo Finotti e Bruno Perosa
Galeria
projetos RELACIONADOS
PUBLICIDADE

Registe a sua Empresa

Crie a sua conta gratuitamente e promova os produtos da sua empresa.

Subscrever Newsletter

Já subscreveu a nossa newsletter?