Pavilhão no Jardim de Serralves

Categorias: Efémera

O pavilhão no jardim – realizado para a exposição “Incerteza Viva: uma exposição a partir da 32a Bienal de São Paulo”, no Museu de Arte Contemporânea de Serralves, no Porto – desenvolve-se a partir da criação de dois espaços concêntricos com funções distintas: o espaço intersticial e o espaço central. A espacialidade cilíndrica enfatiza a centralidade da obra exposta, que assume uma importância crucial no desenho do espaço.

 

 

Esta é reforçada pela anulação de uma entrada principal em prol da criação de uma segunda fachada, exterior, permeável a partir de três pontos que dividem a entrada no pavilhão pela sua periferia, potenciando diferentes acessos e relações com o Jardim de Serralves.

 

 

A descoberta da estrutura museológica faz-se a partir de três momentos: o reconhecimento de um espaço habitável, um percurso de transição e o lugar de projeção. Desde o exterior, o pavilhão apresenta uma pele abstrata, uma fachada continua em toda a sua superfície curva, construída por quatro camadas de tábuas verticais de madeira. A luz natural molda-lhe o corpo, numa gradação de tonalidades que reforça a sua volumetria e revela planos em diferentes profundidades.

 

 

Atravessada pelos raios solares, a estrutura edificada projeta-se sobre ela própria, provocando sombras que deambulam pela fachada central, construindo distintos desenhos ao longo do dia. Contribuindo para o controlo da luz natural no espaço interior, a justaposição de planos curvos e paralelos que alternadamente abrem vãos, também eles curvos, encaminha o visitante a percorrer o espaço de mediação sem revelar o núcleo central desde o exterior.

 

 

A ausência de portas procura libertar a circulação dos visitantes na apropriação do pavilhão expositivo, como espaço em continuidade com o jardim em que o “dentro” ainda é “fora” e o “exterior” ainda é “arquitectura”. Cria-se um espaço imersivo, em que o visitante toma consciência do ato de entrar pela vontade em descobrir um espaço que não é imediatamente perceptível na sua aproximação ao objecto arquitectónico.

 

 

O espaço “entre”, enquanto antecâmara-percurso, induz, ao visitante, a consciência do seu corpo no espaço e conduz à sua preparação para fruição da obra exposta – o filme “Os humores artificiais” (2016) de Gabriel Abrantes – num espaço que a ela se refere materialmente.

TAGS
LINKS
FICHA TÉCNICA

Projeto

Pavilhão no Jardim de Serralves

 

Localização

Porto, Portugal

 

Arquitetura

Diogo Aguiar Studio

 

Arquiteto Responsável
Diogo Aguiar
Área
75.0 m2
 
Engenharia
PENREA – Rui Nuno Salgueiro
Construção
Somaia

 

Ano do projeto
2017
Fotografias
Francisco Nogueira Architectural Photography

 

Vídeo

Building Pictures

 

Galeria
projetos RELACIONADOS
PUBLICIDADE

Workshop . Lisboa

Como Vender o Que Não Se Vê

Isopan

Apresentamos a Esquadria Perfeita