Santa Clara 114

A INTERVENÇÃO NO ESPAÇO FOI INSPIRADA pelo Espírito do Lugar. Santa Clara 114 , rata-se de um edifício de início do século XX que em 1906 apresenta-se como armazém térreo, em 1908 recebe um piso superior generoso com sótão e em 1910 pontua-se com uma trapeira central destacada. Situado à beira-rio do centro histórico de Lisboa, incorpora o cenário urbano do mercado de rua português, na sua expressão mais popular, que é A Feira da Ladra. Convive este edifício apalaçado discretamente com o frenesim de rua, onde o acesso pelo nº 114 é um desafio por entre as bancas de antiguidades e objectos de origem incerta.

Devoluto o primeiro andar nos últimos anos, sofre alterações interiores que o desvirtuam mas ainda assim pautado pela escala, pela estrutura funcional e estética da construção portuguesa da época: pés-direitos altos e tectos trabalhados, carpintarias desenhadas, paredes forradas a azulejo e um sótão em toda a sua área.

O OBJECTIVO DO PROJECTO para o palacete popular foi a implementação de um bloco de quatro apartamentos T2, sem intervenção no piso térreo de loja que serve a Feira…Como cumprir com a função/programa, tendo como motivação voltar ao perfil genético do espaço numa área útil reduzida? Para nós foi claro que era preciso escutar o genius locci e respeitar um corpo urbano feito ainda de espírito e matéria.

No piso nobre inferior, foram preservados os elementos estruturais, tendo sido a escada comum a maior alteração por força do programa. No piso superior foi necessária a reconstrução da cobertura a duas águas e a sua ampliação através das duas trapeiras ovais a sul e cinco trapeiras a norte.

Os 4 fogos constituem um corpo novo interior, composto por duas linguagens arquitectónicas distintas: os dois T2 do piso térreo, comunicantes com o logradouro ajardinado, preservaram a beleza da tradição portuguesa pelo pé-direito generoso e pelo restauro dos tectos, com pintura decorativa mural ou com fingidos de madeira sobre perfis e ornatos em estuque, de decoração geométrica e vegetalista; Os dois T2 do sótão, condicionados pela nova geometria da cobertura, apresentam agora uma abordagem mais contemporânea principalmente na forma da captação da luz natural e da sua modelação pelos cheios e vazios. A cadência de clarabóias, alternadas entre zonas privadas e comuns, relembram a luminosidade generosa de Lisboa. As trapeiras ovaladas com terraço privado sobre a malha histórica ribeirinha portuguesa dão nome próprio a cada um dos 2 apartamentos.

E por fim, vestimos tudo a paredes brancas e materiais que perduram no tempo lusitano, como a pedra lioz, o azulejo original de época ou uma versão monocromática e vidrada, criando superfícies texturadas e reflectoras da luz.

O MAIOR DESAFIO ACONTECE em obra aquando da reconstrução da cobertura e do último piso e o escoramento dos tectos a restaurar. Devido à fragilidade dos elementos decorativos, deteriorados pelo tempo e ocorrência de humidades, a trepidação provocada pela acção de equipamentos pneumáticos e impactos de ferramentas pesadas, poderia causar o fracturamento das camadas de acabamentos a preservar. Foi uma obra a pinças!

Agradeço a toda a equipa que trabalhou para este resultado final, pertence a Todos.

Cumpre o Atelier Cento e Vinte e Seis o seu Mote: Fazer as Paredes Falar.

TAGS
LINKS
FICHA TÉCNICA
Projeto
Localização
Campo de Santa Clara, Lisboa
Arquitetura
Arquitecto responsável

Paula Barbosa Ferreira

Fotografia

Área de construção
315m2

Ano de conclusão
2021
FOTOGRAFADO POR
PDFS
Galeria
projetos RELACIONADOS
PUBLICIDADE

Subscrever Newsletter

Já subscreveu a nossa newsletter?